Vermes anelídeos, vulgarmente conhecidos como minhocas, são os protagonistas no tratamento de resíduos orgânicos e poderão, a breve prazo, começar a tratar o seu lixo. É com este objectivo que foi feita a apresentação pública de uma unidade que utiliza minhocas no tratamento de lixos domésticos.

Essa unidade será instalada em Riba de Ave (Famalicão), tendo a capacidade de tratar 1000 toneladas de resíduos em bruto. Segundo António Quintão, técnico superior de Engenharia do Ambiente, que tem acompanhado este projecto, esta é sem dúvida uma «solução para pequenos aglomerados».

A utilidade das minhocas tem vindo a crescer desde o seu aparecimento, tanto quanto o número de espécies existentes. No final de 2006 uma técnica inovadora surgiu em Portugal, onde estes bichinhos começaram a ter protagonismo no tratamento de resíduos urbanos.

As primeiras experiências foram realizadas a partir de resíduos em bruto, fornecidos pela Tratolixo, empresa de tratamento de resíduos sólidos constituída pela Associação de Municípios de Cascais, Oeiras e Sintra.

Neste processo, que tem como nome vermicompostagem, as minhocas são colocadas nos resíduos para que elas se alimentem dos detritos de várias origens transformando estes resíduos em húmus a partir das suas fezes. Este composto é posteriormente comercializado e considerado muito bom para fertilizar terras de cultivo como pomares ou outro tipo de plantas de jardim.

A espécie de verme utilizada é geralmente designada vermelha californiana.

Após a acção destes pequenos bichos, resta apenas desta transformação o material inorgânico que posteriormente é lavado e separado mecanicamente e feita a respectiva reciclagem.

Utilização a nível internacional

Este tipo de unidades já existia no Canadá e nos Estados Unidos, e está neste momento em expansão com projectos de crescimento em Portugal.

Segundo Rui Berkemeier, ambientalista da Associação Quercus, este tipo de tratamento oferece várias vantagens. Além de ser um tratamento económico, a vermicompostagem permite uma reciclagem de 80% e protege o ambiente. O ambientalista acrescenta ainda que em época de crise como a que se avizinha, este projecto tem a vantagem de gerar postos de trabalho.

Trata-se de um projecto tanto em larga escala como em pequena escala. Além disso, assim como o próprio ambientalista Rui Berkemeier faz, qualquer cidadão pode ter estes pequenos bichos no seu quintal a produzir fertilizante mas não em dimensões como as estações de tratamento industriais permitem.