A Glunz, subsidiária alemã da Sonae Indústria com negócios de madeira, foi alvo de buscas por parte da Agência Federal Anti-cartéis, disse à Lusa a porta-voz da empresa.

A acção que decorreu na quarta-feira está relacionada com suspeitas de combinação por aumento de preços das placas de semicondutores e para ajustar a produção a este aumento de preços.

A porta-voz da Glunz recusou-se a comentar as investigações e a confirmar se durante as buscas foi apreendido material da empresa.

As buscas decorreram na central na cidade de Meppen, na Baixa-Saxónia, e também em Horn, na região da Renânia do Norte, em Westfália.

O gabinete de imprensa da Agência Federal Anti-cartéis, em Bona, confirmou que a 4 de Março, quarta-feira, foram realizadas buscas a sete empresas e a uma associação por «suspeitas de acordos entre fabricantes de semicondutores para elevar os preços e também por ajuste da produção com o mesmo objectivo».

A Agência Federal Anti-cartéis recusou-se a revelar o nome das empresas que foram alvo de buscas, alegando que o processo está ainda a decorrer, mas confirmou que foi apreendido material, o qual está a ser agora estudado.

A acção em causa decorreu a nível nacional, acrescentou a mesma fonte, e só haverá informações à imprensa depois de concluído o processo.

A Glunz é subsidiária da Sonae Indústria, com negócio de produção de painéis de madeira, e opera em 34 cidades e em 9 países.

Em 2006, empregava 6.900 trabalhadores e teve vendas de quase 1,7 mil milhões de euros.