O investigador e autor Evgeny Morozov afirmou esta sexta-feira, no Porto, que a sociedade digital não existe como tal e é fruto da criação de um conjunto de empresas norte-americanas que tem por propósito o lucro.

Durante um debate subordinado ao tema “Eu Digital”, também com a presença do escritor David Brin, no âmbito da conferência Admirável mundo novo – O futuro chegou cedo demais?, organizada pela Fundação Francisco Manuel dos Santos na Casa da Música, no Porto, Morozov afirmou que quando olha para as tecnologias que o rodeiam, como o Facebook, o Google ou o Twitter, “não há forma de escapar ao facto de que todas elas são providenciadas por uma mão cheia de companhias americanas em busca de lucro”.

“O problema é que nós parámos de sonhar alto”, disse Evgeny Morozov, que declarou que os cidadãos precisam de reclamar para si os benefícios das tecnologias, de modo a que não estejam apenas do lado das empresas.

As empresas tecnológicas “têm um modelo de negócio que tenta saber tanto quanto possível sobre o utilizador, porque vendem anúncios com base naquilo que sabem sobre ele”.

“A ideia de que não há alternativa no que diz respeito a Silicon Valley, no que diz respeito à tecnologia, é falsa. Precisamos de tornar a tecnologia num processo político. Precisamos de começar a pensar sobre tecnologia da mesma maneira que pensamos sobre a banca, a indústria alimentar”, declarou o autor de livros como “The Net Delusion: The Dark Side of Internet Freedom”.


O investigador, que passou por universidades norte-americanas como Stanford ou Georgetown, disse ainda que perguntas como “quem gere o quê? Quem devia gerir a infraestrutura? Quem devia gerir a informação?” foram retiradas da discussão: “E nós devíamos trazê-las de volta”.