O Tribunal de Alenquer condenou, esta sexta-feira, a 18 anos de prisão um homem de 63 anos por ter matado a patroa e ter agredido gravemente a bisneta da mulher, de dois anos, atingindo cada uma com dois golpes de enxada.

O coletivo de juízes condenou o homem à pena única de 18 anos de prisão, pelos crimes de homicídio qualificado, homicídio na forma tentada, ofensas à integridade física e coação física agravada, e ao pagamento de indemnizações de 40 mil euros à família da mulher e de 30 mil euros aos pais da criança.

Para a medida da pena, o tribunal teve em conta a «elevada intensidade dolosa e o grau elevado de ilicitude dos factos», o uso de uma enxada para praticar os crimes e o facto de o arguido não ter mostrado arrependimento e ter relatado os acontecimentos de «forma fria e distante», mostrando «indiferença e desrespeito pela vida humana».

O arguido, que efetuava trabalhos agrícolas para a vítima mortal, de 70 anos, foi absolvido do crime de ameaça agravada.

O coletivo de juízes deu como provados a maioria dos factos da acusação do Ministério Público.

Em junho de 2013, o agressor entrou na residência da patroa e, por motivos não apurados, a mulher caiu no chão, tendo o homem saltado para cima dela, agredindo-a.

Uma vizinha foi acudi-la e bateu com um pau no arguido, que a ameaçou de morte, obrigando-a a fugir e a pedir auxílio.

Entretanto, o arguido pegou numa enxada e desferiu dois golpes sobre a mulher e outros dois na cabeça da sua bisneta, de dois anos, que presenciou os acontecimentos.

A mulher acabou por morrer, enquanto a criança foi transportada em estado muito grave para o Hospital de Santa Maria, em Lisboa e, mais tarde, internada no Centro de Medicina de Reabilitação de Alcoitão (Cascais), onde tem vindo a recuperar de graves lesões cerebrais que lhe retiraram a fala e a mobilidade.

O homem foi detido pela GNR de Alenquer no local do crime, na localidade de Pedrulhos.