Um jovem de Blackpool, de 14 anos, Aaron Parfitt, foi suspenso da sua escola depois de ter organizado uma manifestação e ter liderado um protesto, que tinha como objetivo contestar os padrões de ensino, mais precisamente, a insuficiência de trabalhos de casa.

O rapaz contatou previamente o Concelho de Blackpool e Ofsted (organismo de inspecção escolar), mas perdeu a paciência e decidiu avançar com uma greve na última quarta-feira. Como resultado, este protesto valeu-lhe dois dias de suspensão.

Indignada, a mãe do jovem Inglês, explicou ao jornal «Telegraph» que «está furiosa por terem suspendido o filho, que está a fazer o melhor que pode para obter uma boa educação».

Ao jornal «Daily Mail», Aaron explicou que «nós tivemos diferentes professores e não estamos a ter trabalho de casa suficiente, então decidi ligar para o conselho de Blackpool e Ofsted para saber se me podiam ajudar, mas não. Eu cansei-me e realizei o protesto com alguns amigos», acrescentou.

A escola foi colocada, no último ano, sob medidas especiais depois dos inspetores de Ofsed classificarem o ensino da instituição como «medíocre».

Em declarações ao «Blackpool Gazette», a diretora da escola, Debora Hanlon-Catlow afirmou que «este é sem dúvida um momento difícil para a escola. No entanto, com o apoio do Conselho de Blackpool, iremos continuar a trabalhar para melhorar os padrões de ensino, comportamento, assiduidade e pontualidade».