Uma família brasileira tem uma característica bastante invulgar: dos 24 elementos, 14 nasceram com seis dedos.

O primeiro da família a apresentar «polidactilia», a mutação genética que leva uma pessoa a nascer com dedos a mais, foi o «pai», Francisco Silva, e dos seus cinco filhos, quatro herdaram a característica. A mutação foi-se propagando e está já na terceira geração.

Segundo a «G1», no seio familiar, a diferença genética não é encarada como um «defeito», mas, sim, como uma mais-valia, uma vantagem em relação às pessoas que «só» têm cinco dedos. Por vezes, chega a ser motivo de inveja entre os próprios membros da família.

«Nós encaramos isto com muita naturalidade, acho que até pela forma como meu pai lida com a situação. Aqui em casa, quem tem 5 dedos é quem tem complexos. Funciona ao contrário», explicou Silvia, uma das filhas de Francisco, ao «G1».

«Tenho três filhos e só o mais velho é que tem seis dedos, então o problema é (...) o João [irmão mais novo], que também quer ter seis», acrescentou.

Uma das netas de Francisco relembrou que, na infância, chegou a sentir-se desconfortável com a característica, depois de ouvir piadas de que a mão dela se parecia com a de um extraterrestre. No entanto, são eventos que não lhe deixaram qualquer trauma e hoje diverte-se a ver os elementos que não sofrem da mutação a desejá-la para eles.

A família garante que o dedo em excesso não atrapalha nenhuma atividade, e apenas fica mais evidente em tarefas mais precisas, como escrever: em vez de o lápis e a caneta ficarem entre o polegar o indicador, dividem a mão com dois dedos de um lado e quatro do outro.

O início do Mundial de futebol veio reforçar o orgulho desta família, que já tem uma ideia original para apoiar a seleção «canarinha». Durante os jogos do Brasil, a família vai usar t-shirts com uma mão de seis dedos estampada, que pretende simbolizar o hexacampeonato a que o Brasil é candidato.