Uma jovem britânica encontrou uma nova forma de fazer molduras para as fotografias de bebés ao utilizar a placenta das mães como um dos materiais.

Amanda Cotton tem 25 anos e teve esta insólita ideia pouco antes de se formar em Artes na Universidade de Brighton, Inglaterra, e depois de partilhar casa com uma parteira

«É muito comum as pessoas guardarem o primeiro dente, o cabelo do primeiro corte de cabelo. A placenta é uma das primeiras ligações que as mães têm com os filhos, por que não guardar isso também?», questionou a artista.

Para a realização das molduras, Amanda coloca excertos do tecido orgânico num molde, onde são misturados com resina, criando uma variedade de cores parecidas com o mármore. Em seguida, ela ferve a placenta inteira e junta-a a mistura.

«Eu percebo que algumas pessoas possam achar um pouco estranho, mas por que não usar também dejetos humanos quando possível?», disse uma das clientes de Amanda à BBC.



O porta-voz da Universidade de Brighton revelou ainda que Amanda já recebeu várias encomendas, uma delas de uma mulher que aguarda a chegada da segunda filha para o Natal.