Cientistas de todo o mundo confirmam: ter uma vida sexualmente ativa traz muitos benefícios à saúde.

Uma investigação, levada a cabo pelos psicólogos da Universidade de Maryland, descobriu que fazer amor aumenta gradualmente o número de neurónios localizados no hipocampo, parte responsável pela formação de memória a longo prazo.

A experiência foi feita com recurso a ratos e percebeu-se que, ao impedir relações entre eles, existe uma queda da sua inteligência.

Conheça outros incentivos para continuar ativo sexualmente.

Rejuvenescimento

O neuropsicólogo, David Weeks, descobriu que as pessoas com uma atividade sexual elevada tendem a parecer cinco a sete anos mais novos. Ainda no seu estudo, afirma que não é necessário ceder, todas as noites, ao impulso juvenil. O médico descobriu também que a qualidade é tão importante como a quantidade.

Manter a forma

Um estudo canadiano, revelado no mês passado, mostrou que meia hora de atividade sexual pode queimar, tanto ou mais, calorias que andar numa passadeira. A análise monitorizou o gasto calórico e a intensidade das relações de 21 casais, com idades compreendidas entre os 18 e os 35 anos.

Numa sessão com duração de 25 minutos, os homens queimaram cerca de 100 calorias e as mulheres 69. Estes números equivalem, aproximadamente, a subir uma colina durante 20 minutos.

Reduz as dores de cabeça

Uma nova descoberta descobriu que os orgasmos aumentam o fluxo de sangue no cérebro, reduzindo as dores de cabeça. Com este fato comprovado, as mulheres não poderão continuar a utilizar habitual desculpa da «dor de cabeça», sendo que a informação terá mesmo tornado o impedimento num incentivo.

Fazer amor melhora o humor

A revista «Archives of Sexual Behaviour» publicou um artigo que defendia que à medida que aumenta o tempo desde a última vez, as mulheres vão ficando progressivamente mais deprimidas.

O professor de psicologia, especialista em comportamento sexual na Universidade de West Scotland, Stuart Brody, diz que a absorção das hormonas do sémen ajudam a melhorar o humor das mulheres.

A equipa de investigadores de West Scotland descobriu também que o sexo tem um efeito calmante.

Aumento da autoestima

Uma pesquisa da Universidade do Texas revelou que indivíduos com uma vida sexual ativa, sentem-se mais confiantes com os seus corpos.

Previne um ataque cardíaco

Vários estudos apontam o sexo como uma forma de prevenir problemas cardíacos.

Investigadores da Universidade Queen, em Belfast, descobriram que ter relações sexuais três vezes por semana pode reduzir para metade o risco de ter um ataque cardiovascular, ou mesmo, um acidente vascular cerebral.

Outro estudo em Israel complementou a informação e relatou que mulheres que tenham no mínimo dois orgasmos por semana diminuem até 30 por cento as hipóteses de ter um ataque cardíaco.

Sexo prepara-o para o dia

As pessoas que optam por um pouco de paixão logo pela manhã sentem-se mais otimistas para enfrentar o resto do dia.

Para além da alegria que tendem a demonstrar, o sistema imunológico acaba também ele por ser fortalecido.



O cientista americano, Dr Debby Herbenick, informou que os indivíduos que fazem amor pela manhã desfrutam mais do seu dia e que permanecem felizes até à noite.