«Ele virava-se para mim e dizia 'Bem, sou eu. Costumava ser, mas morri e fui para o céu. Vi Deus e depois, provavelmente, Deus empurrou-me para baixo e eu era um bebé a quem tu chamaste de Luke'», contou a mãe da criança.

Perplexa com a história do filho, que não conhece ninguém de nome Pam e nunca foi a Chicago, Erika começou a investigar e encontrou uma mulher de nome Pam Robinson, que tinha mesmo morrido num incêndio no hotel em 1993.

 A família da mulher morta recusou-se a comentar a história.