A alemã Pia Poppenreiter teve a ideia de «aproximar» prostitutas e potenciais clientes e criou uma aplicação que permite às prostitutas criarem um perfil profissional, facilitando assim a conexão entre os intervenientes.

A ideia surgiu quando a alemã caminhava pelas ruas de Berlim numa noite fria de inverno. «Vi as raparigas nas ruas, à espera de clientes, e pensei: porque não existe um aplicativo para elas? É mais eficaz do que ficar à espera na rua», explicou Poppenreiter ao site de notícias «The Local».

A mulher, que trabalha numa agência de acompanhantes, reuniu uma equipa e desenvolveram o programa, que se chama «Peppr» e foi lançado no dia 1 de abril.

A aplicação permite, através de filtros, pesquisar por género, serviços especiais ou algum tipo de corpo específico. A partir do serviço de geolocalização, a app fornece ainda informações sobre quais as profissionais que se encontram mais próximas.

Para as prostitutas, criar um perfil não implica qualquer custo. Contudo os clientes têm que pagar uma taxa que pode ir até aos 10 euros por encontro agendado.

«Estamos a tentar revolucionar a imagem do profissional do sexo, tentando afastá-lo de um visão menos boa», acrescentou Poppenreiter.

«Tivemos conversas com os profissionais para perceber se a sua exposição na app era voluntária», garantiu.

Contudo, a alemã admite que não pode assegurar que isso aconteça com todos os perfis até agora criados, visto que por vezes podem existir pressões exteriores.