Uma investigação do Instituto de Tecnologia da Geórgia, nos EUA, desenvolveu um preservativo elétrico. Com nome de «Enguia Elétrica», o produto gera pequenos impulsos elétricos para provocar mais prazer.

Desenvolvido por três investigadores, o novo preservativo tem como objetivo desenvolver uma tecnologia sexual que permita às pessoas imitarem os desenhos de seus próprios brinquedos ou construir novos.

De acordo com os investigadores, esta inovação não evita a transmissão de doenças sexualmente transmissíveis ou a gravidez.

«Não prevenirá doenças, mas pode ajudar-nos a desenvolver preservativos reais com elétrodos», afirmou um dos investigadores.