As misteriosas esponjas amarelas começaram a chegar à costa norte de França, a Pas-de-Calais, na passada sexta-feira. Cobrem já nesta altura uma área de 50 quilómetros de praia e, apesar de serem uma espuma amarela com textura esponjosa, não são esponjas.

A organização não governamental Sea-Mer deu o alerta e, num primeiro momento, foi descartada a hipótese de serem esponjas orgânicas ou poliuretano.

O presidente da organização não governamental Sea-Mer, Jonathan Hénicart, lembrou então que as esponjas já tinham aparecido noutras alturas, com uma aparência diferente.

A primeira vez que apareceram não eram amarelas, eram cor de rosa”, salientou Hénicart.

Parafina, sem perigo... 

Os bombeiros locais recolheram amostras de diferentes formas e tamanhos, para analisar os materiais que compõem a praga de esponjas que invadiu as praias do norte de França.

Segundo a BBC, o resultado das análises revelaram tratar-se de compostos de parafina, material frequentemente utilizado para fazer velas, lápis de cera, isolamentos e cosméticos.

Quando se toca nelas, são um pouco gordurosas. São frágeis, mas não se partem facilmente e não têm um cheiro específico", revelou o presidente da organização não governamental, segundo o qual, apesar de tudo, é de evitar o contato com as esponjas.

Em comunicado, a autarquia de Pas-de-Calais garante que as estranhas esponjas "não representam um risco grave para a saúde pública, animais ou plantas". Ainda assim, é deixado o alerta para que se evite "tocar nos grânulos".

Provável derrame

Jonathan Hénicart, presidente da organização não governamental Sea-Mer, acredita que as substâncias que estão nas praias terão uma origem líquida. Teriam sido largadas por um navio que passou na zona e solidificaram quando entraram em contacto com a água fria.

O estreito de Pas-de-Calais é um dos caminhos marítimos mais movimentados do mundo, onde navegam mais de 400 navios comercias por dia, além de barcos de pesca e outras embarcações de lazer.