Deixou a sua casa e a namorada em 1991 e mudou-se para as margens do Lago Ness, na Escócia. Há 24 anos que Steve Feltham vive numa caravana, em busca da verdade sobre o monstro Nessie. Ainda não desistiu de encontrar o misterioso animal, mas considera que o mais provável “é tratar-se de um peixe-gato gigante”, escreve a AFP.

Steve Feltham detém ainda o recorde mundial da pessoa que está há mais tempo a vigiar as águas do lago escocês.
 

“A melhor explicação que encontrei é tratar-se de um peixe-gato gigante”, afirma Steve Feltham à AFP. “Não garanto que esta seja a explicação final. A descrição encaixa em quase todos os avistamentos, mas não em todos”, acrescenta.





Esta semana, alguns órgãos de comunicação social deram, conta que este curioso apaixonado por Nessie, tinha desistido da sua vigília por já ter encontrado a resposta. Mas, à AFP, Steve Feltham garantiu que vai continuar onde está: “Isto ainda é um mistério e espero passar a próximas décadas em busca da conclusão definitiva para ele”.

Os gato-peixe são oriundos da Europa central e oriental, mas este estudioso acredita que, durante o reinado da rainha Vitória, o peixe tenha sido levado para o lago escocês, para poderem praticar pesca desportiva.

O peixe-gato pode chegar perto dos quatro metros de comprimento, pesar 400 quilos e viver até 30 anos.

Apesar de não haver nenhum registo oficial de que esta espécie tenha sido introduzida no lago, para Steve Feltham a hipótese não pode ser ignorada, devido ao elevado número de locais de caça na área, usados pelos vitorianos.

Recorde-se que os primeiros avistamentos do monstro de Loch Ness aconteceram em finais da década de 1930. Quando tudo começou “havia uma dúzia de bons avistamentos por ano. Agora, não há mais do que um. Seja o que for, está a morrer. Talvez reste só um ou dois”, acrescenta.

À AFP, Steve Feltham fez questão de explicar que outros vigilantes” têm outras explicações com base nas mesmas evidências. “Uns acham que é um esturjão, outros que são enguias”, continua. Mas há também que defende que no fundo do lago "existe uma nave espacial ou uma entrada para outra parte da Terra”. Pessoalmente, “preferia uma explicação menos mundana que um gato-peixe”.