O choro de um bebé a bordo de um avião da Air China com destino a Hong Kong gerou uma violenta discussão entre a mãe e duas passageiras enfurecidas com a situação, ao ponto do piloto ameaçar fazer uma aterragem de emergência.
 
O escalar da tensão entre as três mulheres culminou com as duas chinesas a reagir violentamente ao reclinar máximo do banco por parte da mãe da criança.
 
Xiong Wan, um passageiro de 45 anos sentado ao lado das duas mulheres, conta que estava ao lado das chinesas quando começaram a dizer «para ela calar o bebé».

«Ela começou a gritar e antes que eu percebesse o que estava a acontecer, ela reclinou o assento e acertou-lhes», contou.

A luta começou com as duas chinesas a baterem na parte superior da cabeça de Chan Juan Sung, a mãe de 27 anos, até a tripulação intervir e as separar.

«Então começaram a bater-lhe e tudo desabou. (...) estavam a lutar, o bebé estava a gritar, e os outros passageiros também estavam a gritar… foi como um filme bizarro», acrescentou Wan.

Com a intervenção da tripulação e a ameaça de desvio da rota por parte do piloto, aquele avião, proveniente da cidade chinesa de Chongqing, acabou por chegar no tempo previsto. Quando aterrou, as autoridades de Hong Kong estavam à espera do voo para inquirir os passageiros sobre o sucedido.

Em reação a este acontecimento, o porta-voz da companhia aérea, Daio Weimin, relembrou que «os passageiros não podem comportar-se desta forma, toda a gente deve obedecer às leis de aviação para garantir um voo seguro e confortável para todos».