A Barbie tem, no currículo, um sem número de profissões. Com 55 anos, já foi comissária de bordo, astronauta, veterinária e até mesmo Presidente. Só que o último ofício que abraçou está a gerar controvérsia: faz de Virgem Maria.

Uma criação de dois artistas argentinos Marianela Perelli e Piscina Paolini – produziram nada menos do que 33 bonecos a representar várias figuras religiosas para um espetáculo intitulado «Barbie, a Religião Plástica», que estreia a 11 de outubro, em Buenos Aires. 

Entretanto, já há reações do Vaticano. Sem surpresas, os bispos estão insatisfeitos com esta forma de criação artística e, no SIR, um site italiano apoiado pela Conferência Episcopal italiana, denunciam a situação, com uma pergunta: «Qual é a diferença entre a provocação e o mau gosto?», cita o «The Washington Post».

O mesmo site pede aos pais que expliquem aos seus filhos para ajudarem a desconstruir a ideia passada pela Barbie como «Avé Maria».

Os artistas argentinos fazem representações de figuras religiosas desde o catolicismo e judaísmo, passando mesmo pelo hinduísmo e budismo.

E não é só a Barbie a protagonista. Também criaram um Ken, mas a fazer do profeta do islão Muhammad. Há também uma figura de Jesus crucificado.

Os artistas fazem questão de frisar que não têm qualquer intenção de ofender nenhuma religião.
E, voltando à Barbie, criaram também a boneca à imagem de Joana d'Arc ou, até, de Maria Madalena.