Jesus era casado com Maria Madalena e teve dois filhos, avança a imprensa britânica, que cita um novo «evangelho», com cerca de 1.500 anos, descoberto na British Library e traduzido recentemente por dois investigadores.

O «Evangelho Perdido» deu origem a um novo livro, escrito pelo professor de Estudos Religiosos da Universidade York, Toronto, Barrie Wilson, e pelo escritor e jornalista israelo-canadiano Simcha Jacobovici, que será lançado em meados de novembro.

Segundo o jornal Sunday Times, o texto, que os dois autores passaram meses a traduzir do siríaco, língua próxima do aramaico [língua de Jesus], revela ainda que Jesus Cristo foi alvo de uma tentativa de assassínio quando tinha 20 anos.

Na sua página na internet, Barrie Wilson adianta que os investigadores sabem da existência do manuscrito há quase 200 anos anos, mas não sabiam o que fazer com ele.

Jacobovici, por seu lado, adiantou que o manuscrito, que tem 29 capítulos, é uma cópia datada do século VI de um evangelho do século I.

Escrito em pele de animal tratada, o manuscrito está nos arquivos da Biblioteca Britânica há 20 anos, onde foi colocado pelo Museu Britânico, que o comprou em 1847 a um comerciante que o terá obtido no antigo mosteiro de São Macário, no Egito.

O novo livro tem ainda revelações sobre as ligações políticas de Jesus com o imperador romano Tiberius e com um dos seus principais generais, Sejanus.

Teorias sobre o casamento de Jesus circulam há vários anos. Uma das mais recentes desenvolveu-se a partir da descoberta, em setembro de 2012, de um fragmento de papiro egípcio que alguns investigadores acreditam conter a primeira referência ao casamento de Jesus.

A descoberta foi desvalorizada, nomeadamente pela Igreja Católica, que afirma tratar-se de uma falsificação.
O texto contém na quarta linha as palavras «E Jesus disse-lhes: 'Eis a minha mulher’» e, na linha seguinte, «ela pode ser minha discípula».

Testes científicos ao fragmento confirmaram que o que passou a chamar-se «Evangelho da Mulher de Jesus» é datado do século VIII.

Sobre a polémica descoberta, o conceituado professor Karen L King, da Universidade de Harvard, citado pelo jornal Boston Globe, disse: «Espero que possamos avançar para questões como o significado deste fragmento para a história do Cristianismo e para pensar sobre questões como: porque é que Jesus ser casado é tão importante? Porque é que as pessoas reagem de forma tão incrível a isso?».

Relativamente a esta nova descoberta, a Igreja de Inglaterra disse já que está mais próxima da ficção do que da história.

«Parece partilhar mais semelhanças com Dan Brown [autor do livro O Código Da Vinci, que desenvolve a teoria do casamento e dos filhos de Jesus com Maria Madalena] do que com [os evangelistas] Mateus, Marcos, Lucas e João», disse um porta-voz da Igreja ao Sunday Times.

Os autores do livro darão quarta-feira uma conferência de imprensa para divulgar mais pormenores sobre o livro.