Na era moderna, gravata é símbolo de poder e respeito, mas a sua origem é bem mais prosaica.

Segundo a professora Miti Shitara, docente de história da moda da faculdade Santa Marcelina, Brasil, citada pela Globo, há registos de uso de lenços no pescoço por soldados chineses, no século III A.C. e também entre o Exército da Roma Antiga, como sudário. «O lenço protegia não só do calor, mas também servia para estancar sangue e limpar a boca, por exemplo», refere.

No Ocidente, a história mais conhecida data de 1618, quando um regimento croata passou por Paris durante a Guerra dos Trinta Anos usando um lenço ao pescoço.

O adereço, depois chamado de «gravata», foi rapidamente adoptado em França e passou a ser usado pela nobreza e pela realeza. Na corte de Luís XIV foi um dos adeptos do novo estilo.