logotipo tvi24

Sinta-se como um prisioneiro nazi (por apenas 44 euros)

Hotel no noroeste da Alemanha foi uma prisão do regime de Adolf Hitler e agora promete oferecer a mesma experiência aos turistas

Por: Redacção / SP    |   2011-05-26 21:16

É uma ideia no mínimo um bocadinho mórbida: em Hamelin, no noroeste da Alemanha, um hotel propõe aos turistas reviver a experiência dos presos do regime nazi. O Stadt Hameln foi uma prisão política do governo do III Reich, para onde eram enviados os dissidentes do regime: pelo menos 474 presos morreram no edifício.

Agora a administração do hotel, entretanto reconvertido num luxuoso espaço que merece a classificação de quatro estrelas, propõe aos turistas reviver o ambiente dos presos políticos do regime de Hitler por 44 euros. O programa chama-se «Festa na prisão» e inclui guardas prisionais e a farda às riscas azuis verticais.

Segundo noticia o italiano Corriere della Sera, o programa está a ter uma grande adesão de turistas que desejam sentir-se como um preso político do regime de Hitler, mas sem inconveniências tão incómodas como o espectro da morte. Por mais alguns euros, pode-se até experimentar o menu «bebida e pasta de prisioneiro».

Claro que os sobreviventes e familiares de vítimas do regime nazi não gostaram da ideia. Dizem que é ofensiva e de mau gosto. Por isso já manifestaram o desagrado à administração do hotel, que respondeu que não vê nenhuma diferença entre recriar as prisões nazis ou recriar o ambiente de recriação da idade média.

Partilhar
EM BAIXO: AUSCHWITZ - prisioneiros
AUSCHWITZ - prisioneiros

O vídeo que Kim Jong-un não quer que você veja
A cara do ditador norte-coreano aparece noutros corpos a cantar e a dançar
Homem bate recorde com tatuagens de Homer Simpson
Lee Weir tem 41 tatuagens da personagem Homer no braço
Jovem atropelado por carro telecomandado a 160 km/h
Grupo de jovens testavam carro de controlo remoto
EM MANCHETE
Ricardo Salgado detido e constituído arguido
Ministério Público confirmou a detenção e envolvimento na operação Monte Branco. Em risco, a destruição de documentos. Ex-presidente do BES estaria a efetuar chamadas encriptadas
«Há mais informação relevante sobre o BES que não foi tornada pública»
Governo recusa comentar detenção de Ricardo Salgado