logotipo tvi24

Sinta-se como um prisioneiro nazi (por apenas 44 euros)

Hotel no noroeste da Alemanha foi uma prisão do regime de Adolf Hitler e agora promete oferecer a mesma experiência aos turistas

Por: Redacção / SP    |   2011-05-26 21:16

É uma ideia no mínimo um bocadinho mórbida: em Hamelin, no noroeste da Alemanha, um hotel propõe aos turistas reviver a experiência dos presos do regime nazi. O Stadt Hameln foi uma prisão política do governo do III Reich, para onde eram enviados os dissidentes do regime: pelo menos 474 presos morreram no edifício.

Agora a administração do hotel, entretanto reconvertido num luxuoso espaço que merece a classificação de quatro estrelas, propõe aos turistas reviver o ambiente dos presos políticos do regime de Hitler por 44 euros. O programa chama-se «Festa na prisão» e inclui guardas prisionais e a farda às riscas azuis verticais.

Segundo noticia o italiano Corriere della Sera, o programa está a ter uma grande adesão de turistas que desejam sentir-se como um preso político do regime de Hitler, mas sem inconveniências tão incómodas como o espectro da morte. Por mais alguns euros, pode-se até experimentar o menu «bebida e pasta de prisioneiro».

Claro que os sobreviventes e familiares de vítimas do regime nazi não gostaram da ideia. Dizem que é ofensiva e de mau gosto. Por isso já manifestaram o desagrado à administração do hotel, que respondeu que não vê nenhuma diferença entre recriar as prisões nazis ou recriar o ambiente de recriação da idade média.

Partilhar
EM BAIXO: AUSCHWITZ - prisioneiros
AUSCHWITZ - prisioneiros

Panda finge gravidez para ter mais bambus
Comportamentos associados a gravidez levou tratadores a crerem no animal
Baleia quase atinge canoístas nos EUA
Grupo de amigos saiu ileso e conseguiu registar o momento
Polícia «apanha» homem mais romântico de Londres
Pedido de casamento escrito com velas acesas captado por helicóptero das forças de segurança
EM MANCHETE
Governo apresenta OE Retificativo
Segundo retificativo do ano deverá trazer cortes nas despesas correntes dos ministérios, em vez de um novo aumento de impostos
«Retificativo é um poço de surpresazinhas boas»
Previsão do desemprego desce para 14,7%