Sandi Blood, uma norte-americana de Murrells Inlet, Estado da Carolina Do Sul, EUA, comprou vários livros usados para se entreter durante as idas à praia, mal ela sabia que dentro daquelas páginas encontraria uma autêntica «relíquia» da guerra da Coreia.

Dentro de um dos livros estava uma carta, datada de novembro de 1951, enviada por um soldado para a sua «amada» que tinha ficado em «casa». Na carta, o autor confessa o seu amor pela namorada, as saudades que tem dela e que mal pode esperar para que os dois se casem.

Intrigada com toda a história, Sandi Blood decidiu procurar o autor, e alguns anos depois finalmente conseguiu.

O soldado era Gilles LeBlanc, que na altura estava estacionado numa base no Japão, e a destinatária era Carole Petch, que em 1951 vivia em Toronto, no Canadá.

Segundo o «Washington Post», Blood tentou primeiro contactar algumas pessoas por carta, mas nunca obteve resposta, mas na semana passada, quando voltou a «tropeçar» na carta, decidiu arriscar a sua sorte com o Facebook. Bingo.

A norte-americana conseguiu encontrar um amigo do autor que por sua vez a colocou ao telefone com ele, um homem com 83 anos, que vive em Detroit.

LeBlanc afirmou que não sabe que carta poderá ser, mas que deveria ser uma bastante especial, pois era muito difícil para os eles [soldados] terem acesso a papel.

A carta será agora entregue ao dono quando amigos de Sandi forem visitar uns familiares a Detroit.

Quanto ao casal a quem a carta diz respeito, foram casados durante 22 anos e tiveram seis filhos, mas acabariam por se divorciar nos anos 70.