Um estudo da Universidade de Minnesota, Estados Unidos da América, publicado no jornal «Psychological Science», mostra que o ritual de cantar os parabéns antes de comer uma fatia de bolo faz com que ele saiba melhor.

Kathleen Vohs, psicóloga, descobriu que o ritual vai além da ação de cantar os parabéns. Práticas como abrir o invólucro de uma tablete de chocolate também têm implicações na forma como vai saber.

Vohs mostra que hábitos alimentares pessoais como comer um donut todas as sextas-feiras de manhã, desencadeados em «comportamentos repetidos, episódicos e fixos», resultam numa melhor apreciação do alimento por causa da antecipação a que somos sujeitos.

«Sempre que peço um expresso, pego no pacote de açúcar, abano-o, abro-o, meto um bocadinho no café e depois provo. (...) Nunca é açúcar suficiente, por isso depois meto metade do pacote. O que se passa é que isto não é um ritual funcional, eu devia logo meter metade do pacote», exemplificou Vohs, em declarações ao «Daily Mail».

Na verdade, Vohs mostra no estudo que o ritual de consumo pessoal que tem é parte integral da apreciação do café. Esta satisfação a partir do ritual pode ser aplicada a qualquer alimento, refere o «Yahoo! News».

Para os testes, a psicóloga recorreu a dois grupos para comerem chocolate de duas maneiras diferentes: o primeiro comia metade da tablete e esperava um tempo até comer a outra metade. O segundo grupo podia comer o chocolate da maneira que quisesse.

Os resultados demonstram que o primeiro grupo sentiu uma maior satisfação e mostrou uma maior vontade de pagar mais pelas tabletes de chocolate.

Vohs descobriu também que este prazer ritualizado aplica-se apenas aos nossos próprios comportamentos. Por exemplo, a psicóloga não ia sentir qualquer satisfação, mas sim frustração, ao ver alguém a meter açúcar no café em duas vezes.