Uma norte-americana de 92 anos, residente em Dallas, Estado do Texas, conseguiu oficializar a adoção de uma prima direita, com 76, após seis décadas do seu acolhimento. Muriel Clayton sempre considerou Mary Smith sua filha, que criou desde os 11 anos, e conseguiu finalmente que o título fosse oficial.

Smith foi viver com Clayton, o marido e as quatro filhas do casal, após a morte do seu pai biológico, quando tinha 14 anos. Desde aí sempre chamou “mãe” à sua prima, no entanto, por respeito à mãe biológica de Mary, que estava institucionalizada, Muriel nunca avançou com um processo de adoção.

Só agora, mais de 60 anos depois de ter a ter acolhido, e depois de receber o “ok” de Mary, Muriel deu entrada com um processo de adoção.

“Não vai mudar nada, [mas] as minhas filhas ficaram muito contentes. (…) Elas adoram a Mary, e a Mary adora-as. (…) A mãe dela era doente, estava numa instituição, e não tinha capacidade de tomar conta da filha. O pai da Mary teve um ataque cardíaco quando tinha 45 anos”, disse à ABC News.


Na última terça-feira foram ao tribunal e tornaram-se oficialmente mãe e filha.

“Ela sempre foi a minha filha e sempre me chamou mãe. Somos muito próximas. Ela [também] tem filhos e sempre fui a avó deles”, acrescentou.