Um papagaio pode vir a testemunhar num caso de homicídio no estado americano do Michingan. A hipótese é colocada pelo procurador, já que Bud, o papagaio, assistiu ao assassinato do dono, Martin Durram, em 2015.

O homem de 45 anos foi morto a tiro, dentro da própria casa, e Glenna Duram, a mulher, ficou ferida na cabeça

Após o crime, o papagaio ficou com a ex-mulher da vítima, Christina Keller, que afirma que Bud passou a repetir as últimas palavras do dono: “Não atires!”. Para o provar, gravou um vídeo, que as autoridades estão a estudar se pode ser admitido como prova em tribunal.

Até ao momento, as investigações ao crime continuam. A viúva é a única suspeita. Segundo a acusação, disparou cinco tiros sobre o marido e, depois, tentou suicidar-se.

As suspeitas são sustentadas pelo vídeo feito por Christina Keller, já que, na gravação, a ave profere, numa voz de homem: “Sai!”. Numa voz de mulher, Bud pergunta: “Para onde vou?”. Depois, repete a frase: “Não atires!”.

Glenna Duram nega as acusações.