Dois mil manifestante fizeram no Rio de Janeiro um protesto polémico autodenominado «A marcha das Vadias».

O protesto realiza-se em simultâneo com a vigília papal, o que causou alguma polémica. Os participantes levavam cartazes em defesa dos direitos das mulheres, a favor da descriminalização do aborto e do casamento entre pessoas do mesmo sexo. Gritavam também palavras de ordem contra a Igreja Católica.

O passeio na praia de Copacabana teve momentos de tensão, com dois manifestantes a chutaram em crucifixos que estavam no chão. Durante a caminhada o grupo passou por fiéis e houve troca de hostilidades.