As autoridades sul-coreanas estão a investigar uma clínica especializada em cirurgia estética em Seul, depois de terem surgido várias fotografias na Internet que mostram a equipa médica a festejar numa sala de operações.

Numa das imagens, que foi partilhada no Instagram, a equipa aparece em ambiente de festa, com um bolo de aniversário, e atrás dos funcionários, num plano mais afastado, observa-se o que parece ser um doente inconsciente deitado numa maca.

Mas os comportamentos que estão a ser alo de investigação não ficam por aqui.

Outra das fotografias, divulgada na mesma rede social, mostra um dos funcionários, vestido com uma bata e com uma máscara no rosto, a fazer um brincadeira com um dos produtos usados nas operações: o indivíduo coloca no peito o gel usado nas cirurgias de aumento dos seios. Ainda numa terceira fotografia, a equipa posa enquanto come hambúrgueres.

«Os nossos agentes estão a investigar a clínica para perceber se houve alguma violação das regras médicas e das leis em vigor», declarou a porta-voz do departamento de saúde pública de Gangnam, em Seul, esta segunda-feira, citada pelo «The Guardian».

De acordo com a legislação em vigor na Coreia do Sul, comportamentos que possam denegrir a reputação da indústria podem mesmo resultar em suspensão.

Independentemente das conclusões e da decisão das autoridades, a julgar pelas criticas registadas nas redes sociais, a clínica já estará a ser penalizada. Os utilizadores revoltaram-se contra aquilo que consideraram ser violações das regras sanitárias e de segurança dos pacientes.

Entretanto, o Centro de Cirurgia Plástica Jewlery já pediu desculpas aos clientes, em comunicado.

«Estamos devastados por termos causado tanta preocupação entre os nossos clientes… por causa destes comportamentos sem sentido», escreveu a clínica.

A semana passada, um incidente do género foi notícia na China. Um grupo de executivos deixou-se fotografar com uma equipa médica, numa sala de operações, durante uma intervenção cirúrgica e, depois de as fotografias terem sido divulgadas nas redes sociais todos foram punidos pelo departamento de saúde pública chinês.