Transportar cães em tronos de madeira, vestidos como humanos, e desfilar com eles dessa forma poderá parecer estranho aos olhos de estrangeiros, mas para os habitantes da aldeia Jiaobang em Guizhou, na China, trata-se de uma tradição que tem sido transmitida de geração em geração. No domingo, os moradores locais, pertencentes à minoria étnica Miao, reuniram-se para participar no festival popular conhecido como “Dia de transporte do cão”.

De acordo com o site Mashable, as celebrações consistem em vestir um cão com roupas humanas, em sinal de respeito, e colocá-lo numa cadeira de madeira, que é carregada por vários homens. Este tipo de transporte foi originariamente reservado à realeza chinesa e à nobreza no século XIX.

O festival é celebrado para agradecer aos cães terem sido capazes de encontrar água em tempos ancestrais. Os habitantes locais acreditam que o fiel amigo do homem foi capaz de localizar fontes de água para os antepassados do povo Miao.

O desfile, que percorre uma longa distância, é acompanhado pelos participantes que dançam ao som da batida de tambores.

Apesar da boa intenção do povo Miao, que com o festival pretende mostrar que cães e seres humanos são iguais, o evento tem sido muito criticado por quem defende que se trata de um ato cruel para com o animal.

De acordo com o People’s Daily, alguns internautas chineses chegam mesmo a comparar o “Dia de transporte do cão” ao festival gastronómico de carne de cão, que se realiza na cidade chinesa de Yulin, alegando que os cães parecem desconfortáveis ao serem colocados na cadeira de madeira.