Um cão gravemente ferido foi deixado na estrada, durante toda a noite, pela polícia em Brisbane, na Austrália. O animal de estimação, a precisar de cuidados veterinários, passou a noite ao relento e teve um final trágico: na manhã seguinte foi encontrado a morrer, com sintomas de paralísia e hipotermia.

A polícia, que deveria ter levado o animal de 10 anos ao veterinário, alegou que os agentes, que tomaram conta da ocorrência, pensaram que o animal, Lily, estava quase a morrer e, por isso, decidiram afastá-lo da estrada:

No momento, os oficiais e o condutor do veículo acreditaram que o cão tinha parado de respirar e que estava morto”, tratando-se de um “erro de julgamento”, disse um porta-voz da polícia local ao Express.

A polícia de Queensland, na Austrália, explicou ainda que o animal tinha sido atropelado por um jipe 4WD e que os oficiais assistiram ao acidente. Depois de se dirigirem ao animal e não terem encontrado qualquer identificação, decidiram arrastá-lo para a berma da estrada. 

As imagens do momento em que os agentes de autoridade deixaram o animal sozinho na estrada foram captadas por uma dashcam de um veículo que circulava atrás da polícia.

O casal que captou as imagens verificou que o cão ainda estava a respirar, mas acreditou que a polícia não o teria deixado no local para morrer.

No entanto, o animal permaneceu sozinho e sem ajuda durante toda a noite. As temperaturas na cidade caíram durante a noite e as condições do animal acabaram por se agravar. 

Logo pela manhã, um condutor viu o animal junto à estrada e levou-o de urgência ao veterinário. Mas já era tarde demais. Devido à gravidade da situação, o animal teve de ser abatido. 

A família de Lily foi contactada e a polícia dirigiu um pedido de desculpas. 

As mesmas imagens recolhidas pela dashcam mostram que o carro da polícia que deixou o animal na estrada, bateu num outro carro que estava estacionado do lado esquerdo da estrada, ao fazer marcha-atrás. Este acidente estará também a ser investigado pelas autoridades locais.