Morreu a mulher londrina, de 50 anos, que recusou um tratamento médico que lhe podia salvar a vida, alegando que não queria ficar "velha", “pobre” e “feia”.

Um advogado que representa uma das filhas da britânica informou que a mulher morreu no sábado, 15 dias depois do tribunal ter permitido que esta abandonasse o Hospital de King’s College, em Inglaterra, e não fizesse mais nenhum tratamento médico, tal como era seu desejo, noticia a BBC News.

Identificada apenas com a inicial “C”, nome dado para proteger a sua identidade, a britânica já se tinha tentado suicidar com uma overdose de álcool, quando descobriu que tinha cancro da mama. A tentativa de suicídio causou danos nos rins e ela necessitava do tratamento de diálise para sobreviver.

No entanto, "C" recusou ser ajudada pelos médicos, referindo que a sua vida estava a perder o “brilho” e, portanto, preferia morrer.

O tribunal considerou que a mulher tinha a capacidade de aceitar ou não a diálise e concedeu-lhe autorização para não realizar mais tratamentos médicos.