Aconteceu num evento público em Santa Cruz de la Sierra, a cidade mais populosa da Bolívia. O presidente da Câmara, Percy Fernández, septuagenário e robusto, pousou a mão na perna de uma jovem e esbelta jornalista. À chegada a jornalista cumprimentou-o com um beijo no rosto e sentou-se ao lado dele, que logo a seguir lhe colocou a mão sobre a coxa. Mercedes Guzmán, repórter da estação de televisão Red Uno, sem perder o sorriso, tentou livrar-se do autarca. A «luta» foi captada pelas câmaras de televisão. O homem, sem se importar com o microfone que tinha na mão, virou-se para o outro lado e chamou-lhe «tacanha!».

De acordo com o jornal espanhol «El País», o incidente valeu ao autarca uma queixa apresentada por uma deputada da oposição, em La Paz, a capital administrativa do país, e um pedido do Provedor de Justiça que a Câmara Municipal irá sancionar.

A denúncia da deputada, bem recebida por muitas organizações feministas no país, pede à justiça uma pena de quatro anos de prisão por abuso sexual, violência sexual e discriminação contra a jornalista.

O representante em Santa Cruz do Provedor de Justiça, Hernán Cabrera, pediu à Câmara Municipal que atenda às disposições da Lei de Bases sobre a Violência contra as Mulheres, que define a atitude do autarca como «crime de assédio sexual, com a agravante de que é um funcionário público». Numa carta para a autarquia, o representante do Provedor advertiu, também, que a ausência de ação, por parte da autarquia, significará cumplicidade e proteção em relação a Percy Fernández. O mesmo Provedor solicitou um estudo sobre a saúde mental de Fernández.

Este não é o primeiro escândalo que envolve o autarca reeleito cinco vezes e com um forte apoio do público. As «mãos indiscretas» de Percy Fernández também já afetaram uma vereadora, que enquanto discursava em público, tentava remover do seu traseiro a mão de Fernández. Uma secretária a quem ele deu um beliscão e uma funcionária municipal obrigada a beijá-lo na boca foram outras vítimas de Percy Fernández. E tudo sempre em público.

O autarca, de 75 anos, já apresentou um pedido público de desculpas à jornalista Mercedes Guzmán, ao marido e a toda a família, por lhe «ter faltado ao respeito enquanto cumpria funções como jornalista». Percy Fernández mostrou-se muito indignado com a onda de críticas de que é alvo e atribuiu a reação da opinião pública a uma campanha orquestrada ao «mais alto nível político».

Se a queixa apresentada no Ministério Público tiver provimento, o autarca pode enfrentar outro julgamento que se somaria a outras queixas apresentadas por jornais e jornalistas que foram alvo de agressões verbais em Santa Cruz.