Denice tem hoje 72 anos. Linda também. A primeira, da família Juneski, vive na cidade norte-americana de Eagan. Ora, a cerca de 60 quilómetros, em Hammond, já no estado de Wisconsin, mora a senhora Jourdeans. Em comum, até agora, tinham o facto de terem nascido na manhã de 19 de dezembro de 1945, no Bethesda Hospital em St. Paul, no Minnesota. Passaram a ter uma história cruzada, já que terão sido trocadas à nascença.

Elas, Denice e Linda, como tantas outras crianças na América do pós-guerra, nasceram na mesma maternidade. Com 31 minutos de intervalo. Foram entregues a famílias, que, 72 anos depois, descobriram não serem biologicamente as suas. Mas que o foram social e culturalmente ao longo de toda a vida.

Ruiva e loira

Denice Juneski cresceu loira numa família de mulheres morenas e ruivas. Já Linda era ruiva e as suas parentes eram sobretudo loiras.

Segundo o norte-americano Western Journal, sempre intrigada, Denice Juneski, que vive em Eagan, no Minnesota, resolveu submeter o seu ADN num site dedicado a esse tipo de pesquisas. Quando recebeu os resultados, ficou espantada e chocada, já que não condiziam com o dos seus familiares.

Juneski decidiu fazer o teste pela segunda vez. E obteve os mesmos resultados.

Os testes avivaram questões que sempre tinham intrigado Denice Juneski ao longo da vida. Por exemplo, tinha crescido numa família de atletas e sempre tivera poucas aptidões para a prática desportiva.

Às vezes, tinha a sensação de que não me encaixava", disse Juneski ao Western Journal.

Ao contrário, vivendo a 60 quilómetros de distância, Linda Jourdeans praticou desporto até aos seus 50 anos.

Foi uma sobrinha de Linda que descobriu tudo. Ao ter conhecimento do ADN de Juneski, avisou a tia, o seu marido e filha. A senhora Jourdeans submeteu-se também a testes, qeu mostraram desconformidade com os seus antepassados.

Mãe... de ambas

Em abril passado, as duas mulheres encontraram-se. Falaram das suas vidas, experiências familiares, diferenças em relação aos membros da família.

Aí decidiram visitar a única pessoa com quem ainda podem partilhar a sua história: Marianne Mayer, de 99 anos, mãe de Denice Juneski e mãe biológica de Linda Jourdeans.

Só que a mãe, no fundo, de ambas, sofre de uma doença que lhe afeta a memória. Aos poucos, lá lhe vão contando o que aconteceu.

Agora você tem mais netos de cabelos ruivos", terá dito Denice Juneski à senhora Mayer.

Já a mãe biológica de Juneski, que criou Jourdeans e que esta não esquece, morreu de cancro aos 42 anos de idade.

Feita a descoberta, as duas velhas senhoras vão também dando a conhecer uma à outra as suas famílias biológicas. Segundo o Western Journal, ambas consideram as atuais circunstâncias "uma dádiva".

Somos apenas novas amigas", assume Linda Jourdeans.