Foram retiradas todas as queixas contra uma jovem da Malásia acusada de gastar na Austrália milhões de euros depois de um erro do banco Westpac lhe ter dado acesso a crédito ilimitado. O Ministério Público australiano desistiu das acusações contra Christine Jiaxin Lee, que em 2016 terá alugado um apartamento de luxo em Sidney e gastado 3,3 milhões de dólares australianos (cerca de 2,13 milhões de euros) em malas e outros produtos de luxo.

As razões para o recuo do Ministério Público não são conhecidas, mas o advogado da jovem confessa-se aliviado e sublinha que muitos dos bens adquiridos por Christine Jiaxin Lee foram apreendidos e devolvidos.

Ela já regressou à Malásia com a família e está muito contente por estar de volta à sua vida normal”, contou Hugo Aston à BBC.

O advogado afirmou num tribunal da capital australiana que, apesar de a jovem não ter sido honesta, ao utilizar dinheiro que não lhe pertencia, não cometeu qualquer crime porque o erro foi do banco.

Ainda no ano passado, uma magistrada disse ao Ministério Público que a jovem podia não ter cometido qualquer ilegalidade ao gastar aquele dinheiro.

Não constitui um crime. É dinheiro com que todos sonhamos”, declarou Lisa Stapleton, citada pela BBC.

Christine Jiaxin Lee, de 22 anos, é natural da Malásia, mas viveu durante cinco anos na Austrália, enquanto estudava Engenharia Química. Em 2016 foi acusada de apropriação desonesta e indevida de meios financeiros para benefício próprio e acabou por ser detida pela polícia federal australiana no aeroporto, quando estava a entrar num avião que a deveria levar de volta para a Malásia. Um dia depois, a jovem foi presente a tribunal e, mediante o pagamento de uma fiança, acabou por ficar a aguardar julgamento em liberdade. 

O caso chegou agora ao fim com o Ministério Público australiano a ilibá-la de todas as acusações.