A Barbie e o Ken já foram protagonistas de muitas polémicas ao longo dos seus 50 anos de existência, mas desta vez estão a gerar controvérsia junto da comunidade católica.

Dois artistas argentinos decidiram pegar nos famosos bonecos e vestiram-nos de divindades, para serem apresentados numa exposição que vai abrir as portas esta semana.
 

“Se há uma Barbie babysitter, uma domadora de leões e até mesmo uma astronauta, por que não pode haver uma Barbie Virgem Maria?”, pergunta Marianela Perelli, uma das artistas responsável por esta polémica criação, citada pela AFP.


A exposição que vai abrir esta semana já está para estrear há mais de um ano. Na altura em que Marianela Perelli falou sobre o evento, acabou por receber centenas de e-mails e cartas de católicos que condenaram a exposição. Decidiu então cancelá-la. Mas a vontade de mostrar o trabalho fez com que evento fosse remarcado, devendo estar acessível ao público a partir deste sábado, em Buenos Aires.
 

“Não mudámos nada. De facto, ainda temos o Ken crucificado. Nós insistimos em fazer a nossa exposição porque é arte. Estas são 33 peças únicas, criadas meticulosamente, como são feitas todas as obras artísticas”.


Para além do controverso Ken, que representa Jesus na cruz, a exposição criada por Marianela e pelo marido, Emiliano Paolini, vai contar com dez Barbies vestidas de santas e 15 Kens que representam “15 formas de olhar para Jesus Cristo”.

Para se inspirar, o casal vive num apartamento que se assemelha a uma fábrica de bonecos misturada com um santuário. Há posters de santos nas paredes e bonecas espalhadas pelas mesas. Um espaço que reflete as suas próprias crenças, uma vez que os artistas são, eles próprios, religiosos.

Apesar do casal compreender o desagrado de algumas pessoas pelas obras criadas, garante que não percebe por que estão a gerar controvérsia.

 

“Somos pessoas religiosas e espituais e fizemos este trabalho com amor e respeito. Pode ver-se pela estética que lhes demos que é totalmente ortodoxo”.


Os artistas acreditam que esta é uma forma de enaltecer a espiritualidade, uma vez que “a religião e a Barbie são duas ideias populares e universais”.

Todos os adereços e cores usadas têm em conta referências de imagens sagradas.
 

“A Barbie representa o padrão da beleza contemporânea. As Virgens têm sido respresentadas mais cheias ou mais magras, dependendo do período histórico. Nesta era, esse padrão de representação pode mesmo assemelhar-se ao corpo da Barbie”.