A história de dois idosos que fugiram de um lar na Alemanha para irem ao festival Wacken Open Air, o maior festival de heavy metal do mundo, que aconteceu no último fim de semana na vila de Wacken, em Schleswig-Holstein, no norte do país, era, afinal, boa demais para ser verdade. O caso, que teve origem num comunicado um tanto impreciso da polícia de Itzehoe, de 4 de agosto, correu mundo e fez sucesso nas redes sociais, mas é agora desmentido pelas próprias autoridades que vieram a público esclarecer os factos.

Questionada na segunda-feira pela estação pública de televisão Norddeutscher Rundfunk (NDR), a polícia de Itzehoe divulgou finalmente mais detalhes da história, que é bem menos espetacular do que o comunicado original sugeria: os dois homens, de 58 e 59 anos, não são idosos, não tinham bilhetes nem nunca estiveram no festival, e ambos têm problemas mentais. Ou seja, não moram num lar de idosos, mas num abrigo para pessoas que necessitam de cuidados especiais.

 A polícia assume agora que a informação divulgada no comunicado original mal interpretada.

A informação passou como no jogo do telefone estragado", afirmou em jeito de comparação o porta-voz da polícia de Itzehoe, Peter Berndt.  

O mesmo porta-voz explicou que tudo começou com "uma nota da polícia a dizer que duas pessoas idosas do distrito de Dithmarschen estavam a caminho de Wacken- cidade onde o festival de heavy metal acontece - e que não queriam entrar num táxi para voltar para a residência". 

Esta nota, "não muito importante", "aparentemente, tem sido interpretada de forma diferente e, em seguida, apresentada de forma errada pelos meios de comunicação social, sem informação adicional relevante", acrescentou.

A nota da polícia levou à história de dois idosos terem fugido de um lar para irem ao festival de heavy metal e que, posteriormente, tinham sido levados de volta para o lar pela polícia contra a sua vontade. Nas redes sociais, os fãs de heavy metal saudaram os dois velhinhos como heróis, e outros criticaram a polícia por lhes "estragar a festa". 

Os polícias não têm sentido humor e são arrogantes. Os senhores certamente teriam gostado de ter ficado mais tempo", lia-se num comentário no Twitter. 

 

As notícias e os comentários geraram polémica e, por isso, a polícia quis agora esclarecer o que realmente aconteceu. As autoridades sublinharam que os dois homens sofrem de uma doença mental e estavam sob tutela legal numa residência, localizada no distrito de Dithmarschen, a 32 quilómetros de Wacken.

Os dois deixaram o abrigo onde vivem e dirigiram-se à cidade de Wacken, que fica perto do local onde ocorre o famoso festival. Porém, eles não tinham bilhetes para o evento, afirmou a polícia.

Eles têm problemas mentais. Ambos foram para Wacken para fazer festa e também consumiram álcool", disse o porta-voz à NDR.

 

De acordo com o mesmo responsável , o consumo de álcool contribuiu para a situação de desamparo em que ambos foram encontrados.

O asilo onde os dois vivem deu pela falta deles por volta das 22:00 de sexta-feira, hora a que eles já deveriam ter regressado, e alertou a polícia, que os encontrou de madrugada numa paragem de autocarro em Hauptstrasse, a avenida principal da cidade de Wacken.

Eles provavelmente perderam o último autocarro", disse o porta-voz.

Ainda de acordo com Peter Berndt. um dos homens estava deitado no banco da paragem do autocarro e os pareciam "desorientados", quando foram encontrados para serem levados para a residência. 

A polícia encontrou-os por volta das 06:30 de sábado e queria levá-los de volta, mas um deles disse que preferia ir de autocarro. As autoridades conseguiram que ambos entrassem num táxi, que os levou de volta ao lar onde moram, escoltado por uma carro de patrulha da polícia.