Um lar de idosos de Nova Iorque enfrenta um processo judicial interposto pelo filho de uma utente por não concordar com a contratação de um «stripper» para animar os idosos.

Franklin Youngblood nem queria acreditar na fotografia que encontrou no quarto da mãe uma mulher de 86 anos que está a viver num lar de idosos em Babylon, em Nova Iorque, nos Estados Unidos.

Indignado com a imagem de um homem praticamente nu, só com uns slipes brancos e justos vestidos, muito junto ¿ demasiado junto ¿ da mãe, que está presa a uma cadeira de rodas.

O filho contratou, por isso, um advogado que iniciou o processo contra o lar, argumentando que a conduta da instituição ao contratar o modelo masculino é questionável, que o facto da mãe, que sofre de demência, ter tocado no corpo do homem e inclusive nos seus órgãos genitais é perverso. O filho também acha condenável que a mãe tenha dado dinheiro seu ao stripper masculino, quando as funcionárias do lar deviam controlar o dinheiro.

Em sua defesa, o lar alegou que os 16 residentes da instituição concordaram com o espetáculo, como conta a CNN esta quarta-feira.

Veja aqui uma reportagem da FOX: