Uma mulher em Nova Iorque, nos EUA, quase ficava sem os órgãos vitais numa sala de operações. Aconteceu em 2009, quando Collen Burns, de 41 anos, foi levada para o centro hospitalar St. Joseph's, em Syracuse, na sequência de uma overdose.

O «The Telegraph» conta que os médicos deram Collen Burns como vítima de «morte cardíaca». A família concordou em desligar a máquina de suporte de vida e doar os órgãos. A mulher foi levada para a sala de operações e, numa reação às luzes, abriu os olhos de repente, para grande espanto dos cirurgiões, que de imediato suspenderam o procedimento.

Lucille Kuss, mãe de Collen Burns, referiu ao The Post-Standard que os médicos nunca explicaram o que correu mal. «Eles próprios estavam chocados», disse Lucille Kuss sobre os cirurgiões. «Foi uma surpresa também para eles», acrescentou.

Collen Burns, mãe de três filhos, recebeu alta do hospital duas semanas depois, mas acabou por cometer suicídio quase dois anos depois.