Idoso anuncia a morte no jornal: «Comunico que faleci»

Deixou tudo tratado com a agência funerária

Por: Redação / CF    |   1 de Maio de 2012 às 13:19
«Comunico que faleci», pode ler-se num anúncio publicado na secção de necrologia do jornal «Correio da Manhã». Parece brincadeira de mau gosto, mas é verdade. Não é brincadeira. E é triste.

Jack Klaim viveu muito. Noventa anos. Dir-se-á que é a ordem natural das coisas, mas há outra história que se lê nas entrelinhas deste comunicado de jornal: Jack Klaim morreu muito antes desta morte física. Morreu de solidão.

«Não há solidão mais triste do que a do homem sem amizade. A falta da família faz com que o mundo pareça um deserto», acrescenta o anúncio que deixou tratado com uma agência funerária para que o divulgasse quando morresse. Jack Klaim era viúvo e estava afastado dos dois filhos.

O CM conta que o americano vivia em Portugal desde a Segunda Guerra Mundial, após ter sido atirador de bombardeiros ao serviço dos Estados Unidos e ajudado muitos refugiados a fugir da Europa. Óbito: Afastado da família, encarava a vida como um deserto
Partilhar
EM BAIXO: (Foto Cláudia Lima da Costa)
(Foto Cláudia Lima da Costa)
COMENTÁRIOS

PUB
Governo descongela reformas antecipadas no privado

Apesar da proposta do Orçamento do Estado entregue na semana passada indicar que o acesso às reformas antecipadas na Segurança Social vai continuar suspenso durante todo o ano de 2015, Mota Soares anunciou esta manhã que o Governo vai descongelar em 2015 o acesso às reformas antecipadas para os trabalhadores do setor privado que tiverem mais de 60 anos e 40 anos de desconto.