Idoso anuncia a morte no jornal: «Comunico que faleci»

Deixou tudo tratado com a agência funerária

Por: Redação / CF    |   1 de Maio de 2012 às 13:19
«Comunico que faleci», pode ler-se num anúncio publicado na secção de necrologia do jornal «Correio da Manhã». Parece brincadeira de mau gosto, mas é verdade. Não é brincadeira. E é triste.

Jack Klaim viveu muito. Noventa anos. Dir-se-á que é a ordem natural das coisas, mas há outra história que se lê nas entrelinhas deste comunicado de jornal: Jack Klaim morreu muito antes desta morte física. Morreu de solidão.

«Não há solidão mais triste do que a do homem sem amizade. A falta da família faz com que o mundo pareça um deserto», acrescenta o anúncio que deixou tratado com uma agência funerária para que o divulgasse quando morresse. Jack Klaim era viúvo e estava afastado dos dois filhos.

O CM conta que o americano vivia em Portugal desde a Segunda Guerra Mundial, após ter sido atirador de bombardeiros ao serviço dos Estados Unidos e ajudado muitos refugiados a fugir da Europa. Óbito: Afastado da família, encarava a vida como um deserto
PUB
Partilhar
EM BAIXO: (Foto Cláudia Lima da Costa)
(Foto Cláudia Lima da Costa)
COMENTÁRIOS

PUB
Tudo «ilegal»: resolução que dividiu o BES e retirada da garantia de Angola

Medida do Banco de Portugal que criou o Novo Banco foi «excessiva, desnecessária e desadequada», segundo o ex-administrador do banco, Rui Silveira. E a decisão «unilateral» de Luanda também esteve ferida de «ilegalidade». Se fosse ele a responder às autoridades angolanas, teria agido «judicialmente» para impedir que a garantia se perdesse