Uma decisão tomada pelo governo do estado de Goa, na Índia, está a gerar uma polémica ambiental. O coqueiro foi retirado da lista de árvores e reclassificado como palmeira. A medida será para facilitar o trabalho dos agricultores, para que possam cortar os coqueiros sem enfrentar burocracia, dizem as autoridades locais, citadas pela Associated Press,

O ministro das florestas de Goa defende a alteração na lei de 1984, que proíbe o corte de algumas árvores sem autorização prévia, e diz que os coqueiros não deveriam ter entrado nesta lista. "Estamos apenas a corrigir um erro na criação da lei", declarou.

Entretanto, ambientalistas e políticos de oposição estão enfurecidos com a "despromoção" da planta. "Não vai beneficiar agricultores, mas sim quem tem interesses imobiliários e industriais", diz o opositor Vijai Sardesi.

"Se não é preciso autorização, então naturalmente haverá mais concreto", afirma o ativista ambiental Claude Alvares.

Ambientalistas e órgãos de comunicação locais exigem que a medida seja revertida. Em um editorial publicado esta terça-feira, o jornal Herald de Goa acusa o governo de estar "perdido na floresta" e diz que quem vai ser beneficiado "são aqueles que querem construir grandes conjuntos habitacionais, hotéis e fábricas de cerveja".

Os coqueiros são parte importante das tradições de Goa. A planta é chamada de "kalpvruksha", nome sânscrito que significa "uma árvore que satisfaz todos os desejos". Isto por causa da utilidade que os coqueiros têm. A polpa raspada do coco é ingrediente em receitas. A casca serve como concha para servir. A seiva do tronco é utilizada na fabricação de bebidas típicas. Em algumas casas, a madeira e as folhas são usadas na construção. Além de tudo, os coqueiros formam a paisagem mais característica de Goa.

O ministro-chefe daquele estado diz que não está preocupado que os coqueiros poderão desaparecer e afirma que os opositores à alteração da lei estão a fazer "chantagem emocional".