O maior genocídio do século XX parece não encontrar eco nem arrepiar um grupo de, lá está, neonazistas russos e ucranianos, que criou um concurso de beleza chamado «Miss Hitler», entretanto suspenso, segundo o «Internation Business Times».

Dirigido a mulheres, o concurso esteve acessível na rede social Vkontakte, que é o equivalente russo do Facebook.

As concorrentes tinham de respeitar oito regras básicas para concorrer: a primeira, ser mulher, a segunda, ser nazi, pelo que a terceira regra era a conjugação das duas primeiras, ou seja, ser uma mulher nazi.

E não ficava por aqui. Precisava de odiar judeus, ser membro do grupo «Adolf Hitler» daquela rede social e, para fazer jus ao nome do concurso, publicar uma fotografia sexy. Não sem comprometer-se, também, a obter «gostos» de outros nazis para a sua foto ser a mais pontuada. A última regra de ouro a respeitar? Proibido insultar fotografias de outras mulheres a concurso.

O grupo no Vkontakte chegou a ter 7.500 seguidores e 24 candidatas a Miss Hitler, mas a página foi suspensa no domingo, por causa de incitar à violência, segundo o «The Times of Israel».

Ganharia a foto com mais votos e o prémio a atribuir não era só um, mas vários acessórios temáticos, alusivos ao nazismo, incluindo brasões alemães do Terceiro Reich e a cruz suástica.