Navio de guerra vai ser um museu subaquático

Corveta está a ser descontaminada, antes de ser afundada

Por: Redação    |   1 de Julho de 2012 às 17:32
Estão quase concluídas as obras de descontaminação do primeiro navio de guerra que vai ser afundado para criar um museu subaquático no Algarve. Para trás, ficam cinco meses de trabalho para dar uma nova vida à corveta de 85 metros.

Chegou às águas portuguesas há 40 anos. A «Oliveira e Carmo», uma corveta construída para guerra é agora esperança de vida. Oferta da marinha para um projeto de criação de um museu subaquático na costa algarvia ao largo de Portimão é o primeiro dos quatro navios que vão ser afundados.

Desmantelada peça por peça há cinco meses, já viu sair das suas entranhas mais de 280 toneladas de materiais perigosos e ainda há trabalhos a decorrer. O museu subaquático algarvio vai ter quatro navios de guerra afundados a apenas três milhas da costa.

Uma aposta em algo inédito que é também um convite a um novo segmento de turistas para o Algarve.
PUB
Partilhar
EM BAIXO: Navio de guerra vai transformar-se em museu subaquático
Navio de guerra vai transformar-se em museu subaquático

COMENTÁRIOS

PUB
​BES: Banco Nacional de Angola tirou garantia ao BESA dois dias antes da resolução

A TVI apurou que a retirada da garantia estatal foi comunicada pelo BNA à filial angolana do BES. Banco de Portugal e Ricardo Salgado têm visões diferentes. A garantia em causa, que perdeu validade a 01 de agosto, tinha sido assinada pelo ministro das Finanças e seguia-se a uma ordem do Presidente José Eduardo dos Santos, que prestava ao BESA uma garantia soberana irrevogável no valor de 5,7 mil milhões de dólares.