O secretário de Estado da Cultura admite alterar o acordo ortográfico nos próximos três anos. Até lá, e utilizando o exemplo de Vasco Graça Moura no CCB, aceita que cada um possa «escolher a sua ortografia».

«Do ponto de vista teórico, a ortografia é uma coisa artificial. Portanto, podemos mudá-la. Até 2015 podemos corrigi-la, temos essa possibilidade e vamos usá-la. Nós temos que aperfeiçoar o que há para aperfeiçoar. Temos três anos para o fazer», afirmou, no programa «Política Mesmo» da .

Referindo-se à polémica decisão do presidente do Centro Cultural de Belém, Francisco José Viegas garantiu que «os materiais oficiais do CCB obedecem à norma geral». «Vasco Graça Moura escreverá como quiser. (...) Todos os portugueses têm a possibilidade de escolher a sua ortografia. Não há uma polícia da língua, há um acordo, que não implica sanções graves para ninguém», explicou.

O governante criticou ainda a forma como foi conduzido o novo acordo. «Gosto de algumas regras, outras não. O processo não foi bem encaminhado. O acordo ortográfico está em discussão há 20 anos. Discutiram-se as coisas à última da hora», lamentou.