Portucale: Portas explica 1 milhão em conta do CDS

Novo ministro enviou respostas ao Ministério Público

Por: Redação / Carlos Enes, TVI    |   21 de Junho de 2011 às 10:00
Paulo Portas garantiu ao Ministério Público que o milhão de euros em dinheiro, depositado em mais de cem tranches numa conta do CDS-PP, eram fundos do partido, noticia a TVI.

O novo ministro dos Negócios Estrangeiros declarou, contudo, desconhecer as irregularidades detectadas nos recibos.

Nos últimos quatro dias de 2004, uma conta do CDS no Banco Espírito Santo recebeu 105 depósitos, em dinheiro, que totalizaram mais de um milhão de euros. Esses movimentos bancários suspeitos levaram o MP a abrir uma investigação, da qual resultaram os processos dos submarinos e Portucale, relativo ao licenciamento desse empreendimento turístico do grupo Espírito Santo concedido pelo governo Santana Lopes-Portas.

O líder do CDS nunca foi constituído arguido, mas o MP decidiu interrogá-lo na fase de julgamento. Sendo deputado, teve direito a responder por escrito. As respostas já chegaram aos juízes do processo Portucale.

«Eram montantes que estavam em caixa no CDS, resultantes da sua actividade e da recolha de fundos realizada em eventos do partido», escreveu.

O MP quis também explicações para os recibos desses depósitos, com datas posteriores e em nome de doadores fantasma. O novo ministro declarou desconhecer essas irregularidades. «Trata-se de procedimentos contabilísticos e administrativos, cujo detalhe desconheço».

Abel Pinheiro, antigo director financeiro do CDS, e alguns funcionários do partido são arguidos no julgamento.
PUB
Partilhar
EM BAIXO: 28/05/2011 Paulo Portas em Pombal [LUSA]
28/05/2011 Paulo Portas em Pombal [LUSA]

COMENTÁRIOS

PUB
Tsipras: «Anulámos a austeridade, a troika é passado»

Últimas projeções dão vitória certa ao Syriza, falta apenas saber se será por maioria absoluta. Líder do Syriza levantou os braços para saudar o povo grego, que virou à esquerdas numas eleições históricas para a Grécia. Prometeu esperança e dignidade. Falou em «rutura total» com a submissão vivida até aqui, mas abriu a porta ao diálogo