Parque escolar: PSD quer ouvir ex-ministras

PSD vai pedir audição de Maria de Lurdes Rodrigues, Isabel Alçada e do atual titular da pasta, Nuno Crato

Por: Redação / SM    |   24 de Março de 2012 às 23:19
O PSD quer ouvir as antigas ministras da Educação Maria de Lurdes Rodrigues e Isabel Alçada e o atual titular da pasta, Nuno Crato, no Parlamento sobre a Parque Escolar, anunciou Teresa Leal Coelho.

Em declarações aos jornalistas, à margem do XXXIV Congresso do PSD, no Pavilhão Atlântico, em Lisboa, a vice-presidente da bancada social-democrata considerou que «há indícios suficientemente graves» para requerer estas audições.

«Nós vamos querer ouvir todos quantos forem necessários para percebermos exatamente o que é que se passou nesse âmbito da Parque Escolar», acrescentou.

Questionada se o PSD poderá vir a propor a constituição de uma comissão de inquérito sobre a entidade pública empresarial Parque Escolar, Teresa Leal Coelho respondeu: «Por enquanto, vamos fazer audições fora da comissão de inquérito, depois as conclusões levar-nos-ão a tomar uma próxima decisão».

Segundo Teresa Leal Coelho, "não está afastada nem está equacionada" a constituição de uma comissão de inquérito, porque ainda não há "dados suficientes".

O Tribunal de Contas detetou despesas e pagamentos ilegais no montante de cerca de 256 milhões de euros e mais de 236 milhões euros relativos a 34 contratos da Parque Escolar não submetidos a visto, revelou uma auditoria.

Os contratos de empreitada, aquisição e locação de bens e serviços foram celebrados no período que mediou entre a criação da empresa, em fevereiro de 2007 e março de 2009, segundo o relatório do Tribunal de Contas.
PUB
EM BAIXO: Parlamento
Parlamento
COMENTÁRIOS

PUB
Tsipras: saída do euro teria "custo enorme" para a Europa

Primeiro-ministro grego deu uma entrevista à televisão ERT em que diz não acreditar que o plano seja retirar a Grécia da zona Euro. Alexis Tsipras diz ainda que acredita que um "não" no referendo vai dar mais armas à Grécia para continuar as negociações em busca de um acordo. Atenas já assumiu que não vai pagar ao FMI esta terça-feira, mas Tsipras lembra que tem o telefone sempre ligado