logotipo tvi24

Parque escolar: PSD quer ouvir ex-ministras

PSD vai pedir audição de Maria de Lurdes Rodrigues, Isabel Alçada e do atual titular da pasta, Nuno Crato

Por: Redacção / SM    |   2012-03-24 23:19

O PSD quer ouvir as antigas ministras da Educação Maria de Lurdes Rodrigues e Isabel Alçada e o atual titular da pasta, Nuno Crato, no Parlamento sobre a Parque Escolar, anunciou Teresa Leal Coelho.

Em declarações aos jornalistas, à margem do XXXIV Congresso do PSD, no Pavilhão Atlântico, em Lisboa, a vice-presidente da bancada social-democrata considerou que «há indícios suficientemente graves» para requerer estas audições.

«Nós vamos querer ouvir todos quantos forem necessários para percebermos exatamente o que é que se passou nesse âmbito da Parque Escolar», acrescentou.

Questionada se o PSD poderá vir a propor a constituição de uma comissão de inquérito sobre a entidade pública empresarial Parque Escolar, Teresa Leal Coelho respondeu: «Por enquanto, vamos fazer audições fora da comissão de inquérito, depois as conclusões levar-nos-ão a tomar uma próxima decisão».

Segundo Teresa Leal Coelho, "não está afastada nem está equacionada" a constituição de uma comissão de inquérito, porque ainda não há "dados suficientes".

O Tribunal de Contas detetou despesas e pagamentos ilegais no montante de cerca de 256 milhões de euros e mais de 236 milhões euros relativos a 34 contratos da Parque Escolar não submetidos a visto, revelou uma auditoria.

Os contratos de empreitada, aquisição e locação de bens e serviços foram celebrados no período que mediou entre a criação da empresa, em fevereiro de 2007 e março de 2009, segundo o relatório do Tribunal de Contas.

Partilhar
EM BAIXO: Parlamento
Parlamento

«Se sairmos do euro caminhamos para uma ditadura»
Comentário de Henrique Medina Carreira no program «Olhos nos Olhos» na TVI24
«É inacreditável que a Moody's tenha subido o rating da dívida»
Comentário de Constança Cunha e Sá na TVI24
«Como é que o BES escapou à troika?»
Marcelo Rebelo de Sousa considera que a detenção de Ricardo Salgado foi «uma bomba». O amigo do ex-presidente do BES questiona ainda a atuação da troika e da justiça