Parque escolar: PSD quer ouvir ex-ministras

PSD vai pedir audição de Maria de Lurdes Rodrigues, Isabel Alçada e do atual titular da pasta, Nuno Crato

Por: Redação / SM    |   24 de Março de 2012 às 23:19
O PSD quer ouvir as antigas ministras da Educação Maria de Lurdes Rodrigues e Isabel Alçada e o atual titular da pasta, Nuno Crato, no Parlamento sobre a Parque Escolar, anunciou Teresa Leal Coelho.

Em declarações aos jornalistas, à margem do XXXIV Congresso do PSD, no Pavilhão Atlântico, em Lisboa, a vice-presidente da bancada social-democrata considerou que «há indícios suficientemente graves» para requerer estas audições.

«Nós vamos querer ouvir todos quantos forem necessários para percebermos exatamente o que é que se passou nesse âmbito da Parque Escolar», acrescentou.

Questionada se o PSD poderá vir a propor a constituição de uma comissão de inquérito sobre a entidade pública empresarial Parque Escolar, Teresa Leal Coelho respondeu: «Por enquanto, vamos fazer audições fora da comissão de inquérito, depois as conclusões levar-nos-ão a tomar uma próxima decisão».

Segundo Teresa Leal Coelho, "não está afastada nem está equacionada" a constituição de uma comissão de inquérito, porque ainda não há "dados suficientes".

O Tribunal de Contas detetou despesas e pagamentos ilegais no montante de cerca de 256 milhões de euros e mais de 236 milhões euros relativos a 34 contratos da Parque Escolar não submetidos a visto, revelou uma auditoria.

Os contratos de empreitada, aquisição e locação de bens e serviços foram celebrados no período que mediou entre a criação da empresa, em fevereiro de 2007 e março de 2009, segundo o relatório do Tribunal de Contas.
PUB
Partilhar
EM BAIXO: Parlamento
Parlamento
COMENTÁRIOS

PUB
Nenhum tripulante de cabine da TAP se apresentou ao trabalho

O Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil garante que nenhum tripulante de cabine da TAP se apresentou este sábado no aeroporto de Lisboa, no segundo de dia de greve para exigir cumprimento do Acordo de Empresa. Para este sábado, num total de 291 voos, a TAP prevê a realização de 135, assegurados pelos serviços mínimos decretados pelo Conselho Económico e Social, mas o sindicato contesta o número.