Guiné: jornalista António Aly Silva foi detido

Corre a notícia de que o jornalista foi espancado e levado para parte incerta

Por: Redação / Manuela Micael    |   13 de Abril de 2012 às 16:46
O jornalista António Aly Silva foi detido esta sexta-feira de manhã. Corre em Bissau a notícia de que Aly Silva terá sido espancado e levado para parte incerta.

A notícia já foi confirmada à agência Lusa por fontes que assistiram à detenção.

Esta sexta-feira, às 10:27 locais (mais uma hora em Lisboa), o jornalista tinha escrito no seu blog «Ditadura do Consenso», que o «General António Indjai, CEMGFA, está no comando das operações» do golpe militar. Entretanto, o jornalista deixou de escrever no blog e começaram a correr boatos da sua detenção.

O blog «Guiné-Bissau Docs»difundiu, já esta tarde a informação de que António Aly Silva foi detido às 11:10 (12:10 em Lisboa), depois de uma «frenética» perseguição, «a alta velocidade», movida pelos militares. O jornalista terá sido intercetado perto do restaurante Padeira, retirado do carro e «espancado duramente», antes de ser levado para parte incerta.

O jornalista Nuno Andrade Ferreira, da Rádio Morabeza, em Cabo Verde, contou à TVI24 que entrevistaram António Aly Silva durante a manhã. Depois de saberem dos boatos da sua detenção, tentaram falar com ele, através do telemóvel. «Quem nos atendeu foi outro sujeito, que se tentou passar por ele. Depois disso voltámos a tentar, mas já não nos atenderam, sequer», relatou.

A mesma informação que dá conta da detenção de António Aly Silva foi também avançada à TVI24 por mais duas fontes não oficiais em Bissau.

OUÇA A ÚLTIMA ENTREVISTA DE ANTÓNIO ALY SILVA (À RÁDIO MORABEZA, DE CABO VERDE) ANTES DE SER DETIDO

PUB
Partilhar
FOTOGALERIA:
Golpe de Estado na Guiné-Bissau

António Aly Silva EM CIMA: António Aly Silva
COMENTÁRIOS

PUB
Nenhum tripulante de cabine da TAP se apresentou ao trabalho

O Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil garante que nenhum tripulante de cabine da TAP se apresentou este sábado no aeroporto de Lisboa, no segundo de dia de greve para exigir cumprimento do Acordo de Empresa. Para este sábado, num total de 291 voos, a TAP prevê a realização de 135, assegurados pelos serviços mínimos decretados pelo Conselho Económico e Social, mas o sindicato contesta o número.