A crise está a fazer disparar o recurso ao Rendimento Social de Inserção. Em março, o número beneficiários registou a maior subida do último ano. Em apenas um mês, foram mais de 6 mil os novos beneficiários deste apoio. A culpa é do desemprego e do aperto em que vivem cada vez mais portugueses.

Ao todo, já são mais de 329 mil as pessoas que recebem esta prestação social, o que se traduz no valor mais alto desde novembro de 2010. Estes números foram avançados este domingo pelo «Jornal de Notícias» e «Diário de Notícias».

Só em março deste ano, os serviços da segurança passaram a processar este apoio a mais de 6.300 pessoas e é no Porto que se registam o maior número de beneficiários.

As medidas aprovadas pelo Governo poderão travar esta tendência de subida. Para aceder ao RSI será necessário assinar um contrato de inserção de 12 meses, que depois de terminado obriga a uma nova prova de recursos, sendo que o beneficiário não pode ter mais de 25 mil euros depositados no banco.

De acordo com os dados da Segurança Social, no final do trimestre cada beneficiário recebia uma média de 91 euros mensais.

Feitas as contas, são mais de 30 milhões de euros por mês que o estado paga em rendimentos sociais de inserção.