logotipo tvi24

2013: o ano do «enorme aumento de impostos»

IRS sofreu um agravamento, desde logo, pela redução de escalões

Por: Redacção / MM    |   2013-12-28 10:00

O anúncio foi feito em 2012, mas foi este ano que os portugueses começaram a sentir o «enorme aumento de impostos» anunciado pelo então ministro das Finanças, Vítor Gaspar e cujos efeitos se vão continuar a sentir no próximo ano.

Tradicionalmente é o IVA que mais receita dá ao Estado, mas este ano o forte agravamento do IRS tem levado as receitas com este imposto para níveis cada vez mais próximos. No final de outubro deste ano, a receita de IRS era inferior à do IVA em cerca de 1,1 mil milhões de euros, mas no ano passado na mesma altura a diferença era de mais de 3 mil milhões de euros.

O ano de 2013 ficará marcado pelo passar à prática do «enorme aumento de impostos» do ex-ministro das Finanças, Vítor Gaspar, em especial no IRS.

Este imposto sofreu desde logo um agravamento pela via da redução de escalões, que passaram de oito para apenas cinco, e levaram a um aumento generalizado do IRS para todos os trabalhadores.

O Governo decidiu aplicar ainda uma sobretaxa de 3,5% no IRS de cada um dos trabalhadores, tendo em vista retirar pela via do IRS o equivalente a um dos subsídios a todos os trabalhadores, tanto do privado como do público. Os escalões mais elevados sofrem mais um agravamento por via de uma sobretaxa extraordinária de solidariedade de 2,5%.

No IRC, a taxa máxima da derrama estadual passou a aplicar-se aos lucros superiores a 7,5 milhões de euros (anteriormente eram 10 milhões de euros) e foi limitada a dedutibilidade dos encargos das empresas no financiamento por dívida, num altura de crédito difícil.

Pelo IMIchegou outra das grandes medidas. A reavaliação do valor patrimonial das casas que não terão sido transacionadas a partir de 2003 terminou e provocou um aumento o valor a pagar em IMI.

O que nos espera em 2014

Com todos estes aumentos de impostos, o Governo espera chegar ao final de 2013 com uma receita fiscal de 40,4 mil milhões de euros, mais 2,6 mil milhões de euros que o alcançado no ano passado.

Para 2014, o Governo não faz alterações de fundo no IRS, mas há outros impostos a aumentar. Em primeiro lugar, os contribuintes serão sujeitos pela primeira vez ao ajuste no IRS dos novos escalões que foram introduzidos este ano e à sobretaxa de 3,5%.

Depois, o Governo impõe ainda aumentos em impostos especiais sobre o consumo, como é o caso do imposto sobre o tabaco, sobre as bebidas espirituosas, sobre a cerveja e do Imposto Único de Circulação. Há ainda alterações na tributação autónoma para os carros de serviço.

No final de 2014, o Governo espera arrecadar cerca de 41,2 mil milhões de euros, mais 817,1 milhões de euros que o esperado para a receita fiscal este ano (em contabilidade nacional), segundo o relatório da proposta de Orçamento do Estado para 2014.

Partilhar
EM BAIXO: Tabelas de IRS 2013
Tabelas de IRS 2013

Dívida pública portuguesa sobe para 132,9% do PIB
É a 3ª mais elevada da União Europeia
Depois da McDonalds, Starbucks retira produtos do mercado
Escândalo de carne fora de validade afeta várias cadeias alimentares na China
Dirigentes têm um mês para escolher funcionários dispensáveis
Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas entra em vigor a 1 de agosto
EM MANCHETE
«Fenprof não vai perturbar a PACC»
Mário Nogueira garante que não vai impedir professores de realizarem a prova, mas acusa o ministra de levar as escolas a cometerem uma ilegalidade
Vítor Bento quer «reconquistar a confiança dos mercados»
MH17: Rebeldes entregam as caixas negras