logotipo tvi24

Turquia: «A revolução não será televisionada, será twitada»

Primeiro-ministro não gosta das informações que vão sendo passadas pela rede social

Por: Redacção / FC    |   2013-06-03 17:29

O primeiro-ministro turco, Recep Tayyip Erdogan, acusou «elementos extremistas» do Partido Republicano do Povo (CHP) de provocarem os confrontos dos últimos dias em várias cidades do país. E com um toque especial.

«Essa coisa que chamam redes sociais não é mais do que uma fonte de problemas para a sociedade atual», afirmou num discurso televisivo, acrescentando: «Há um problema que se chama twitter. É aí que se difundem as mentiras absolutas».

A declaração levou a uma reação interessante por parte dos manifestantes, que se apropriaram da frase para deixarem um alerta: «A revolução não será televisionada, será twitada». A frase foi inscrita numa das paredes da Praça Taksim, em Istambul.




É um facto que as redes sociais estão a ser usadas para dispersar mensagens. Desde logo, a associação que lutou pela manutenção do parque Taksim Gezi usou uma página no Facebook e o twitter através da hashtag #direngeziparkı (o Parque Gezi resiste). Durante o fim-de-semana, grande parte dos trending topics do twitter estavam relacionados com os protestos na Turquia

Apesar da má impressão que tem do twitter, segundo o site «Socialbakers» a conta oficial de Erdogan no twitter é a quinta mais seguida entre os políticos mundiais, com mais de 2.700.000 subscritores. O presidente Abdullah Gul é ainda mais popular, ultrapassando os três milhões.

Partilhar
FOTOGALERIA:
Confrontos em Istambul

Grafitti na Praça Taksim, em Istambul (twitter) EM CIMA: Grafitti na Praça Taksim, em Istambul (twitter)

Era capaz de colocar um implante no cérebro para trabalhar mais?
Há quem diga que o futuro passa por aí. Além de trabalharem mais, quem tiver implante também vai ganhar mais
Grupo Zurich alerta empresas para ciber-ameaças
Relatório revela vários riscos
O que escondem as batatas de fast food para ficarem bonitas
Há muito mais do que sal e óleo
EM MANCHETE
Protestos violentos no Rio de Janeiro
Há registo de pelo menos um morto numa favela de Copacabana em tumulto. Imagens mostram caos a menos de mês e meio do Mundial de Futebol
«Opção do Governo é tornar definitivos os cortes temporários»
«Há limites para o que um Presidente pode dizer»