logotipo tvi24

Turquia: «A revolução não será televisionada, será twitada»

Primeiro-ministro não gosta das informações que vão sendo passadas pela rede social

Por: Redacção / FC    |   2013-06-03 17:29

O primeiro-ministro turco, Recep Tayyip Erdogan, acusou «elementos extremistas» do Partido Republicano do Povo (CHP) de provocarem os confrontos dos últimos dias em várias cidades do país. E com um toque especial.

«Essa coisa que chamam redes sociais não é mais do que uma fonte de problemas para a sociedade atual», afirmou num discurso televisivo, acrescentando: «Há um problema que se chama twitter. É aí que se difundem as mentiras absolutas».

A declaração levou a uma reação interessante por parte dos manifestantes, que se apropriaram da frase para deixarem um alerta: «A revolução não será televisionada, será twitada». A frase foi inscrita numa das paredes da Praça Taksim, em Istambul.




É um facto que as redes sociais estão a ser usadas para dispersar mensagens. Desde logo, a associação que lutou pela manutenção do parque Taksim Gezi usou uma página no Facebook e o twitter através da hashtag #direngeziparkı (o Parque Gezi resiste). Durante o fim-de-semana, grande parte dos trending topics do twitter estavam relacionados com os protestos na Turquia

Apesar da má impressão que tem do twitter, segundo o site «Socialbakers» a conta oficial de Erdogan no twitter é a quinta mais seguida entre os políticos mundiais, com mais de 2.700.000 subscritores. O presidente Abdullah Gul é ainda mais popular, ultrapassando os três milhões.

Partilhar
FOTOGALERIA:
Confrontos em Istambul

Grafitti na Praça Taksim, em Istambul (twitter) EM CIMA: Grafitti na Praça Taksim, em Istambul (twitter)

NXT: tirar sangue com agulhas vai ser apenas uma má memória
Um novo sistema de microchips promete pôr fim ao método atual de tirar sangue
Leite diretamente da vaca para máquinas de venda automática
Atualmente, só pode ser comprado aos agricultores
Cientistas conseguem erradicar vírus da sida de células de doentes
«É um passo na direção certa, mas o caminho ainda é longo e os obstáculos são muitos antes de podermos evocar uma cura para a sida»
EM MANCHETE
Professores têm de justificar falta à prova
Só assim evitarão ser «prejudicados» no próximo concurso, esclareceu o ministro Nuno Crato
RioForte avança com pedido de falência no Luxemburgo
BES contrata Deutsche Bank como conselheiro