logotipo tvi24

O pito é doce

E a gancha também. Saiba do que estamos a falar

Por: tvi24    |   2013-02-01 15:21

Tem raízes religiosas mas transformou-se numa tradição popular que se repete todos os anos: o rapaz oferece a gancha à rapariga que retribui com o pito, doces típicos de Vila Real relacionados com São Brás e Santa Luzia.

É no domingo que se assinala o dia de São Brás. Pastelarias da cidade ou mulheres, nas suas casas, confecionam por estes dias as ganchas, doces feitos de açúcar e água que reproduzem o báculo (bengala) bispal de São Brás, o padroeiro das doenças da garganta.

Isto porque nesta altura, segundo manda a tradição, os «rapazes oferecem a gancha de São Brás às raparigas, como forma de retribuir o pito de Santa Luzia que elas lhes terão oferecido em dezembro».

O pito, com recheio de doce de abóbora e cobertura de massa de farinha, tem o formato de uma espécie de penso antigo que se colocava na vista. Santa Luzia é a padroeira dos doentes com problemas de olhos.

João Silva, responsável pelo Museu da Vila Velha, disse à agência Lusa que esta é uma tradição que começa por ser religiosa e acaba, com o passar do tempo, por ter um cariz popular.

«Passar para a forma mais popular, mais brejeira, foi fácil porque o rapaz dá a gancha e a rapariga dá o pito e esta acaba por ser uma tradição muito curiosa. E também esse caráter engraçado que vai fazendo com que as pessoas venham à procura dos doces», salientou.

E são pessoas de todas as idades as que aderem a esta brincadeira.

À boleia desta doce tradição, o Museu da Vila Velha organiza neste sábado o programa «São Brás 2013», que vai desvendar alguns segredos da antiga Vila Real, acabando a visita na cozinha de uma das mais antigas pastelarias da cidade, a Casa Lapão.

Álea Zita, pasteleira há 31 anos, explicou como se fazem as ganchas.

«Pomos a água a ferver com o açúcar. Depois espalhamos o açúcar na banca e à medida que ele vai arrefecendo vamos moldando-o para lhe darmos a consistência das ganchas», salientou.

Já há muitos anos que esta rotina se repete nos dias que antecedem o São Brás. Na cozinha desta pastelaria são feitas cerca de 100 ganchas por dia. Aqui este doce só é feito nesta altura, enquanto os pitos estão disponíveis durante todo o ano.

No fim de semana, as «marianas», senhoras de uma família muito antiga que tradicionalmente confecionam a gancha, espalhar-se-ão pela zona da Vila Velha a vender o doce ao som dos sinos que replicarão na igreja de São Dinis.

O Museu da Vila Velha vai aproveitar ainda para mostrar a verdadeira capela de São Brás, que está dentro do cemitério desta zona da cidade, e ainda a capela de Santo António Esquecido, localizada bem ao lado do edifício museológico mas que muitas vezes é confundida com a de São Brás.

Isto porque, inicialmente, as ganchas eram vendidas junto à original capela de São Brás, só que com a construção do cemitério as mulheres tiveram que procurar outro local, acabando por se «apropriar» da pequena igreja dedicada a Santo António, levando para lá uma imagem da padroeira das doenças de garanta.

João Silva explicou que a ideia passa também por clarificar estas confusões e mostrar uma rara imagem de Santo António Esquecido, como nos conta a Lusa.

Partilhar

Massamá: tribunal manda libertar jovem que esfaqueou colegas
Menor esteve internado seis meses num centro educativo em Coimbra
Guardas prisionais denunciam falta de condições nas cadeias
Prisões estão cada vez mais sobrelotadas e com menos trabalhadores
Mais de 5.500 militares da GNR vão patrulhar as estradas na Páscoa
Na operação «Páscoa 2013» da GNR registaram-se 793 acidentes, dos quais resultaram oito vítimas mortais
EM MANCHETE
Direitos humanos atravessam «crise sem precedentes»
Aumentaram casos graves de corrupção, impunidade, racismo, discursos de ódio e discriminação na Europa
Portugal exporta 40% da produção de frutas e legumes
Tabaco, álcool, sal e açucar na mira do Governo