logotipo tvi24

«Grilo da Zirinha»: «não é a única Alzira» da freguesia

MP pede a absolvição de cantor pimba

Por: Redacção    |   2013-04-18 18:10

O Ministério Público defendeu esta quinta-feira a absolvição do cantor popular de Braga processado por uma vizinha por causa do tema sobre «o grilo da Zirinha», confessando nem sequer conseguir perceber por que é que o caso está em julgamento.

O procurador António Gonçalves lembrou que o Ministério Público (MP) não acompanhou a acusação mas «lamentavelmente», por força da lei, «foi obrigado» a participar no julgamento.

Considerou que foi «despropositado» o recurso ao poder judicial para dirimir o conflito.

«Se fosse assim, todos os cantores praticavam crimes», ironizou.

O processo contra o cantor popular João Miguel Costa, de Padim da Graça, Braga, foi movido por uma vizinha, de nome Alzira, por injúria e difamação, por causa da letra de um tema em que o artista diz que caçou «o grilo à Zirinha».

A queixosa alegou que o tema lhe era dirigido, por alegadamente ser a única mulher de Padim da Graça tratada por Zirinha, e queixou-se que a letra insinua que manteve um relacionamento sexual com o cantor.

No entanto, e para o MP, «não há o mínimo de evidência de que as palavras» da canção sejam dirigidas à queixosa, até porque «não é a única Alzira» da freguesia.

O magistrado não censurou o facto de a mulher se sentir difamada, mas sublinhou que ao arguido não pode ser imputada a prática dos crimes de que está acusado só por causa da «hipersensibilidade» da queixosa.

Uma posição corroborada pela advogada de defesa do cantor, que acrescentou que a letra da canção, «ainda que, por acaso, fosse considerada desonrosa, numa poderia ser considerada ilícita, já que isso poria em causa da liberdade de criação artística».

Já o advogado da queixosa, Miguel Torrinha, enfatizou que, naquela canção «grilinho tem o significado de grelinho», um termo popular para designar a vagina, e que o que transparece para quem ouve é que aconteceu «alguma coisa» entre o cantor e a «Zirinha», pondo em causa valores como o respeito e a fidelidade, «muito importantes para as pessoas, sobretudo em meios pequenos».

Alegou ainda que o cantor quis ganhar dinheiro à custa da vizinha, «o que está a conseguir», pelo que deve ser condenado pelos crimes de que é acusado e ao pagamento de uma indemnização à queixosa.

Disse que, a vingar a tese de liberdade de criação artística, estava encontrada uma forma de difamar impunemente: «faz-se uma música e dá para tudo».

No processo, a vizinha, casada, mãe de três filhos e avó de um neto, pede uma indemnização de 6000 euros.

Diz que a canção a tornou alvo de chacota popular, que até as crianças da freguesia já cantam «o grilo da Zirinha» e que sempre que ouve o tema fica «uma pilha de nervos».

Queixa-se de que o próprio cantor já a provocou, pondo o tema a tocar no carro, ¿com o volume no máximo e a altas horas da noite¿, fora da sua porta.

O tema da polémica chama-se «Cacei o grilo» e faz parte de um CD lançado por João Miguel da Costa.

Na letra, apresenta a Zirinha como amiga e diz que um dia lhe pediu para que a ela a deixasse tocar no «grilo».

A Zirinha «não pôs isso em questão», não disse que não, e então o cantor começou «a apalpar».

No refrão, João Miguel repete, alegremente, «Cacei o grilo na toquinha, cacei o grilo à Zirinha».

No banco dos réus, está ainda um amigo de João Miguel, acusado de também «ajudar à festa», por ter respondido «ai comia, comia», quando o cantor, alegadamente referindo-se à Zirinha, lhe perguntou se comia aquele grilinho.

A leitura da sentença está marcada para 8 de maio, escreve a Lusa.

Partilhar
EM BAIXO: João Miguel da Costa canta «Grilo da Zirinha» (Youtube)
João Miguel da Costa canta «Grilo da Zirinha» (Youtube)

Problema técnico atrasa novo voo da TAP
Incidentes com aviões da companhia aérea têm sucedido nos últimos dias
Metro: linha vermelha interrompida
A linha vermelha liga as estações do Aeroporto e São Sebastião
Quando for aos Correios, compre uma árvore também
Árvores compradas nos CTT vão reflorestar zonas afetadas por incêndios
EM MANCHETE
Pais vão saber quem são os pedófilos
Proposta de lei prevê mais alterações de modo a aumentar a proteção e a prevenção de crimes de abuso sexual contra menores, pornografia e prostituição infantil
CGTP quer salário mínimo de 540 euros e aumentos de 3%
Governo deixa cair aumento da TSU e do IVA para 2015