Falta de enfermeiros em Coimbra pode comprometer cuidados

Ordem alerta para falta de 180 profissionais

Por: tvi24    |   6 de Maio de 2013 às 20:59
O bastonário da Ordem dos Enfermeiros (OE), afirmou que o Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC) tem falta de 180 enfermeiros, o que pode comprometer alguns cuidados de saúde.

«Há cuidados de enfermagem que podem não estar a ser prestados na totalidade e alguns serviços a ser adiados», disse Germano Couto nesta segunda-feira à agência Lusa.

Realçando que «existem enfermeiros no mercado para serem contratados», o bastonário considerou que o ingresso de mais profissionais no Serviço Nacional de Saúde «equivale a melhores indicadores de saúde».

A contratação de enfermeiros pelos serviços onde estão em falta, à luz das «dotações seguras« em vigor, «significa poupar dinheiro«, o que, segundo Germano Couto, é confirmado por estudos nacionais e internacionais.

Para 2013, o conselho de administração do CHUC, presidido por José Martins Nunes, pediu autorização à Administração Regional de Saúde (ARS) do Centro para contratar 100 novos enfermeiros, «para que as dotações sejam consideradas seguras».

A ARS, no entanto, concordou com a entrada de apenas 43 profissionais, cuja contratação ainda falta ser viabilizada pelo Ministério da Saúde.

«Preocupava-nos sobretudo como estariam as dotações de enfermeiros e eventuais constrangimentos à contratação», disse.

Aos 100 enfermeiros que a administração do CHUC pretendia contratar, veio juntar-se a necessidade de colmatar a previsível aposentação de 80 ao longo deste ano, o que equivale a um défice de 180, sublinhou.

«Este centro hospitalar tem um débito de 80 mil horas aos enfermeiros. Lamento que as ARS estejam a criar mais entropia no processo», afirmou o bastonário dos enfermeiros.
PUB
Partilhar
EM BAIXO: Germano Couto, Bastonário da Ordem dos Enfermeiros
Germano Couto, Bastonário da Ordem dos Enfermeiros

COMENTÁRIOS

PUB
Portas recusa antecipação das eleições legislativas

«Há todas as razoes para cumprir o calendário constitucional», afirmou Paulo Portas, durante uma intervenção nas jornadas parlamentares conjuntas do PSD e do CDS-PP, que terminam hoje na Sala do Senado, na Assembleia da República, em Lisboa.O vice-primeiro-ministro alinha assim com o discurso de Passos Coelho que também recusa a ideia e critica quem olha «gulosamente para as eleições»