Jovens nascidos em 1995 convocados para o Dia da Defesa Nacional

As atividades do Dia da Defesa Nacional tinham sido suspensas no segundo semestre de 2013

Por: Redação    |   15 de Janeiro às 16:57
A 10ª edição do Dia da Defesa Nacional começa dia 20 de janeiro com cerca de 650 jovens nascidos em 1995 em cinco unidades militares, inaugurando um modelo que custará «menos um milhão de euros» ao Estado, como relata a Lusa.

Uma jovem morreu num quartel depois de uma queda de slide, em 2011.

As atividades do Dia da Defesa Nacional tinham sido suspensas no segundo semestre de 2013 na sequência de uma decisão do ministro da Defesa, José Pedro Aguiar-Branco.

À margem da inauguração do Balcão Único da Defesa, no Palácio Bensaúde, Lisboa, Aguiar-Branco frisou que o novo modelo, que começa dia 20, visa «cumprir os mesmos objetivos» de «serviço público e dever cívico» de uma forma «menos custosa» e «mais atrativa».

Questionado pela Lusa sobre o novo modelo, o diretor de Serviços de Recrutamento e Assuntos de Serviço Militar, tenente-coronel César Reis, adiantou que, em comparação, custará ao Estado «menos 25 por cento, cerca de um milhão de euros».

O responsável disse que já foram convocados todos os jovens nascidos em 1995, cerca de 130 mil, para se apresentarem em iniciativas previstas ao longo do ano, de participação obrigatória.

Na próxima segunda-feira, são esperados 650 jovens em cinco unidades, Alfeite, Queluz, Braga e Ovar, adiantou, frisando que os custos de deslocação dos jovens continuam a ser assegurados pelo Estado.

A principal alteração de modelo, disse, é um maior envolvimento de entidades públicas para além do âmbito estritamente das Forças Armadas.

O responsável adiantou que, entre as entidades que participam este ano, estão a Autoridade Nacional de Proteção Civil, a GNR, e outras entidades ligadas à defesa de direitos.
PUB
Partilhar
EM BAIXO: Aguiar-Branco (Lusa/José Sena Goulão)
Aguiar-Branco (Lusa/José Sena Goulão)
COMENTÁRIOS

PUB
CDS-PP abre porta ao diálogo com o PSD «com vista ao futuro»

O líder democrata-cristão e vice-primeiro-ministro, Paulo Portas, garantiu este sábado que «não será pelo CDS-PP que se criarão dificuldades ou demoras» a um diálogo com o parceiro de coligação com vista às próximas eleições, mas deixa um alerta: «não se deve ter pressa em demasia», nem «se deve demorar em excesso», porque «na vida e na política há o momento certo»