logotipo tvi24

Cancro: portugueses procuram cura inovadora na Alemanha

Em Colónia, duas clínicas já receberam centenas de doentes portugueses que decidiram apostar nas vacinas dendítricas. São inovadoras, mas caras

Por: tvi24 / Inês Pereira    |   2013-02-22 15:28

Desde Janeiro que é assim. A Internet encurta a distância entre Portugal e a Alemanha. Paulo tem 32 anos e um cancro no estômago. Foi-lhe diagnosticado em Abril do ano passado. Fez várias sessões de quimioterapia, procurou vários médicos.

Não cruzou os braços e decidiu optar por um tratamento não convencional. Numa clínica em Colónia, faz sessões com vacinas de células dendítricas. Um processo que consiste em retirar sangue do doente e dias depois voltar a injetar na zona afetada pelo tumor.

Luís Bretes, oncologista há mais de duas décadas, já enviou quatro doentes para Colónia. Casos que os métodos convencionais já não conseguiam resolver.

Esta descoberta venceu o Nobel da medicina em 2011. Só é praticada em duas clínicas na Alemanha e não tem ainda toda a aceitação na comunidade médica.

Para já, os custos elevados são o principal obstáculo dos doentes. Paulo precisa de 50 mil euros. Família, amigos e uma campanha nas redes sociais já estão a dar frutos.

Partilhar
Mais sobre este tema
EM BAIXO: Cancro: doentes procuram cura inovadora na Alemanha
Cancro: doentes procuram cura inovadora na Alemanha

IC2: um morto e 11 feridos em acidente com seis viaturas
Colisão envolveu dois pesados e quatro ligeiros
Mais de dois mil edifícios públicos têm amianto
Levantamento feito pelo Governo foi divulgado esta quinta-feira e revela que 16% das construções estão contaminadas
ASAE dá golpe em site que vendia acessórios falsos na Internet
Foram apreendidos 249 artigos e três computadores, no valor total de cerca de 8.400 euros
EM MANCHETE
Cessar-fogo de 72 horas em Gaza
Israel e Hamas concordam com tréguas humanitárias a partir das 6:00 (hora de Lisboa) desta sexta-feira, revelam EUA e ONU
Bolsa: tombo de 42 por cento do BES arrasa PSI-20
Comissário Europeu: Governo escolheu, mas adiou decisão