logotipo tvi24

Cancro: portugueses procuram cura inovadora na Alemanha

Em Colónia, duas clínicas já receberam centenas de doentes portugueses que decidiram apostar nas vacinas dendítricas. São inovadoras, mas caras

Por: tvi24 / Inês Pereira    |   2013-02-22 15:28

Desde Janeiro que é assim. A Internet encurta a distância entre Portugal e a Alemanha. Paulo tem 32 anos e um cancro no estômago. Foi-lhe diagnosticado em Abril do ano passado. Fez várias sessões de quimioterapia, procurou vários médicos.

Não cruzou os braços e decidiu optar por um tratamento não convencional. Numa clínica em Colónia, faz sessões com vacinas de células dendítricas. Um processo que consiste em retirar sangue do doente e dias depois voltar a injetar na zona afetada pelo tumor.

Luís Bretes, oncologista há mais de duas décadas, já enviou quatro doentes para Colónia. Casos que os métodos convencionais já não conseguiam resolver.

Esta descoberta venceu o Nobel da medicina em 2011. Só é praticada em duas clínicas na Alemanha e não tem ainda toda a aceitação na comunidade médica.

Para já, os custos elevados são o principal obstáculo dos doentes. Paulo precisa de 50 mil euros. Família, amigos e uma campanha nas redes sociais já estão a dar frutos.

Partilhar
EM BAIXO: Cancro: doentes procuram cura inovadora na Alemanha
Cancro: doentes procuram cura inovadora na Alemanha

Comandante da TAP recusou pilotar voo para Barcelona
Piloto alegou que teria ultrapassado o número de horas diárias permitidas para pilotar
Um morto e um ferido em acidente no IP2
Despiste de um motociclo aconteceu perto de Vidigueira, distrito de Beja
Exclusivo: «Não estou no futebol para ter amigos»
Cristiano Ronaldo abriu as portas de casa a Judite Sousa e volta a revelar mais de si. É a 2ª parte da entrevista ao melhor do Mundo
EM MANCHETE
Exclusivo: «Não estou no futebol para ter amigos»
Veja a segunda parte da entrevista de Judite Sousa a Cristiano Ronaldo, onde o craque falou sobre o filho, Mourinho e o BES
Seguro e Costa «estão de acordo no essencial»
PS: estatísticas do desemprego são «melhores que a realidade»